quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Passatempo fotográfico


O Núcleo Museológico do Mar promove, em parceria com o Arquivo Fotográfico Municipal da Figueira da Foz, até dia 27 de junho, o Passatempo Fotográfico “O Mar da Figueira”
Inteiramente realizado via email e facebook, está aberto à participação de fotógrafos amadores e profissionais e tem como objetivo a seleção de 20 fotografias inéditas, que posteriormente integrarão a exposição denominada “10 + 10 olhares sobre o mar (da Figueira)”, a realizar no Núcleo Museológico do Mar, nos meses de agosto a dezembro de 2014.
As fotografias, inéditas, podem ser remetidas para o endereço eletrónico da Divisão de Cultura: divulgacao.cultura@cm-figfoz.pt, até às 17H00 do dia 27 de junho de 2014.
As fotografias recebidas serão postadas no facebook do Museu Municipal e colocadas a votação entre o dia 07 e 27 de junho. As 20 mais votadas serão anunciadas via facebook, dia 31 de julho.
As normas de participação encontram-se disponíveis para consulta no site do município: www.figueiradigital.com  e na página de facebook do Museu Municipal Santos Rocha: www.figueiradigital.com.

Biblioteca OFERECE

Na Figueira da Foz
 

Arte

Mais um dos quadros do artista plástico Mário Silva expostos no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz

Páscoa 2014


terça-feira, 15 de Abril de 2014

Gafes jornalísticas

 
 
Acontece...
De acordo com as regras judiciais e jornalísticas, um indivíduo só é considerado autor de qualquer tipo de crime depois de condenado em tribunal, com a sentença transitada em julgado.
Ora bem: Num jornal regional foi publicado o subtítulo acima que sofre de alguma incoerência.
Assim, o jornal classifica (e bem) de suspeito, determinado cidadão, mas, logo a seguir (mal) diz que o mesmo assaltou (...).
Ora, por um lado o indivíduo é considerado suspeito e depois já se afirma que o mesmo cometeu o crime...
Pergunta-se: É suspeito ou assaltou?
Gralhas inofensivas mas que o não deixam de ser. E nestas, distraidamente, qualquer um cai...
O sublinhado, no recorte reproduzido, é da nossa responsabilidade.

Poesia de figueirenses e... não só


POESIA:
VIRTUALMENTE,
DA FIGUEIRA PARA O MUNDO

O livro eletrónico “Antologia de Poetas Figueirenses (1875-2013)”, editado pela Câmara Municipal da Figueira da Foz através da sua Divisão de Cultura e apresentado publicamente no passado dia 20 de março, reúne mais de seis dezenas de textos de 32 autores nascidos ou radicados neste concelho, desde o último quartel do século XIX até este há pouco iniciado. Primeira publicação municipal em formato e-book, a antologia pode ser lida através de diversos meios digitais, do computador pessoal a qualquer iPad ou tablet e está neste momento acessível em 71 países.

 
Recordamos que este livro virtual se encontra também no site municipal Figueira Digital, podendo ser diretamente acedido pelo link http://www.figueiradigital.com/municipe/?mid=209 .

A Divisão de Cultura informa ainda que, de acordo com o departamento latino-americano das lojas Apple on-line, foi já realizado um número significativo de downloads da “Antologia(…)” naquela região, nomeadamente no Brasil, Argentina, Equador e México.

África


A imagem do dia
 
 
Mercado de S.Paulo - Luanda - Angola

Arte no CAE

ADN Mário Silva
Um dos quadros de Mário Silva, expostos no CAE, integrados na mostra "ADN Mário Silva - Paisagismo Geourbano & Portuário"
Patente até 23 de abril

quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Voando

A imagem do dia
 
"Nos céus da Figueira da Foz"
Foto de José Manuel

5as de Leitura

Valter Hugo Mãe
nas 5as de Leitura

 


 
O Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz (CAE) recebeu, na passada terça-feira, o escritor Valter Hugo Mãe, numa sessão inserida no projeto «5as. de Leitura».
Apresentado pelo professor catedrático da Universidade de Coimbra Boaventura de Sousa Santos, o livro «A Desumanização» levou o público a uma viagem até terras, paisagens e gentes islandesas.
"É um trabalho poético e filosófico muito profundo”, disse o apresentador, realçando que a leitura deste livro “é um verdadeiro desafio”. Para ler este livro é preciso estar suficientemente em paz consigo. Se por algum motivo estivermos desesperados não aguentamos até ao fim”, sublinhou Boaventura de Sousa Santos.
Caraterizando Valter Hugo Mãe como “um arquiteto da literatura portuguesa”, o também sociólogo defende que este romance “ajuda o leitor a compreender a atual sociedade”, uma vez que “estamos num modo vida de desumanização”.
Valter Hugo Mãe destacou que atualmente o livro está a ser traduzido para islandês (tradução realizada pela esposa de um figueirense a residir na Islândia).
As 5as de Leitura regressam em maio, dia 15, com João de Melo e «Gente Feliz com Lágrimas».
 
 

Para a história da Figueira da Foz CCLXXXI

Teatro Príncipe D. Carlos
 


 
Em 26 de fevereiro de 2000, no 86.º aniversário do incêndio que destruiu completamente o Teatro Príncipe D. Carlos, onde o Ginásio Clube Figueirense tinha a sua sede, este assinalou a triste efeméride com a colocação de um memorial, como se vê na terceira imagem.
Completaram-se, em fevereiro, 100 anos sobre a data do sinistro, que ocorreu na madrugada do dia de Carnaval.
Na primeira foto, o exterior do Teatro e na segunda o interior dessa casa de espetáculos que marcou uma época.
O Ginásio colocou um memorial a recordar o Teatro Príncipe e a rua que ostentava essa designação passou a chamar-se rua da... República.
As tais obras da noite para o dia.

O pensamento do dia


Humor negro


 
contador de visitas