sábado, 30 de setembro de 2006

O 24 de Abril regressou à Naval?


Não tenho nenhuma procuração do meu colega de jornalismo, Tiago Lemos, um jovem promissor que dá os primeiros passos numa área tão complexa.
Contudo, o que aconteceu na manhã de hoje, nas instalações do Estádio Municipal da Figueira da Foz, ultrapassa tudo o que é concebível.
Tiago Lemos é correspondente do jornal “O Jogo” onde, inclusivamente, estagiou, e é também a pessoa que me substituiu no “Diário de Coimbra” quando resolvi, ao fim de 40 anos, bater com a porta.
Esta manhã, após o treino no “Bento Pessoa”, estavam os quatro representantes locais de órgãos de comunicação (incluindo a minha pessoa, como correspondente do “Record”, a entrevistar o jogador Gilmar, quando João de Almeida, secretário técnico do clube, por incumbência de alguém (penso que teria sido o técnico Rogério Gonçalves), mandou interromper as gravações e “expulsar” o Tiago, tendo em conta a reportagem que “o Jogo” teria feito do encontro Naval-Beira-Mar, e que, naturalmente, não agradou aos responsáveis pelo clube.
Não sei, nem me interessa saber, o que escreveu “O Jogo” (sei que não foi o Tiago o autor), mas algo vai mal, tudo levando a crer que regressou o 24 de Abril de 1974, pelo menos a este clube figueirense.
Nem sequer está em jogo a justeza (porque o foi) do triunfo dos navalistas.
O que está na mesa é a censura que o clube quer fazer aos órgãos da comunicação social.
Ninguém discute a forma de orientar de Rogério Gonçalves. Porquê o clube discutir e exercer represálias sobre quem não escreve de acordo com a sua cartilha?
Por hoje, fico-me por aqui, mas há mais.

Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

Todos os psicólogos baratos estão a enganar as pessoas relativamente a coisas como a culpa e a consciência. A culpa é uma emoção nobre; a pessoa que vive sem ela é um monstro .

Willard Gaylin

sexta-feira, 29 de setembro de 2006



Desculpem lá, mas não consegui resistir à tentação de reproduzir, mais uma vez, o editorial do Correio da Figueira, assinado pelo seu director, José Alberto Dias.
Mais uma vez vos peço: respirem fundo, para terem fôlego para ler este parágrafo e, depois, tirem as vossas conclusões e diram-me se perceberam patavina. Atenção, que foi respeitada a ortografia do artigo assinado pelo distinto jornalista...

"Meus caros leitores no passado sábado a nossa cidade da Figueira recebeu uns milhares de idosos vindos de todo o país, a pergunta que eu me fiz quando vi chegar aqueles autocarros todos com pessoas da 3.ª idade, todos com um boné amarelo, todos iguais, só lhes faltava os bibes todos iguais para voltar aos velhos tempos em que também em grupos por vezes em grandes grupos quando todos eram crianças ou adolescentes e o resto era tudo igual, comer o farnel na praia, na escada da esplanada, na relva, enfim em qualquer sítio, e até os chefes de turma eram quase iguais quando eram os professores agora são os organizadores ou os encarregados dos lares a dar as orientações, casos havia em que ainda não era necessário porque as pessoas iam sós à procura dos restaurantes e cafés mas eu estive a presenciar e em tudo me parecia como se de um passeio de fim de curso se tratasse com um mega encontro com outros estudantes de todo o país como é interessante que antes da vida activa temos o nosso tempo de lazer, e depois da vida activa temos também o nosso tempo de entretenimento, só que até à idade adulta preparamo-nos para a vida activa estudando, aprendendo a enfrentar as adversidades da vida e quando chegamos à 3.ª idade temos de saber como ir até ao fim da vida e felizes daqueles que conseguem preparar tudo e preparar-se para o além da vida, pois qaue a tendência é que durante a vida activa por vezes não pensamos na vida para além da morte. Existe ainda uma outra diferença é que a cor do leite é diferente, é mais tinto, mas até isso é cada vez mais voltar ao início com o cafézinho com leite e as torradas".

Nota: o negrito é da minha responsabilidade.

AJM

O pensamento do dia

A boa vontade é conquistada à custa de muitos actos... mas pode perder-se só com um.

D.S.

quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Em memória de Fausto Caniceiro da Costa

Figueira da Foz
MENINA
Linda, gárrula, traquina
Fundada pela Natureza
Que muito se preza
De a ter criado
Tão sedutora
E encantadora
Figueira da Foz
SENHORA
Tão fascinente
Jóia cintilante
Deste Paraíso
Que há na Lusitana Terra
De Praia, Rio, Mar, Serra
Figueira da Foz
PRINCESA
Praia de sonho
Belo tesouro
De areias de ouro
Com sol prateado
Que a toda a hora
A beija
E deseja
Figueira, menina,
Senhora, princesa
Figueira RAINHA
És nossa,
És minha!...
Fausto Caniceiro da Costa (1987)

O pensamento do dia

Uma das grandes desvantagens da pressa é que nos faz perder tempo demais.

G. K. Chesterton

quarta-feira, 27 de setembro de 2006

Morreu um figueirense

Morreu o FAUSTO

Deparei, surpreendentemente, embora haja sempre a considerar a idade avançada (contava 92 anos e não 83 como, por lapso, foi noticiado, por exemplo, no diário “As Beiras”), com o falecimento do meu amigo Fausto.
Fausto, um homem dos sete instrumentos (ou talvez mais) foi uma figura que fica indelevelmente ligada à Figueira da Foz.
Nascido na Figueira em 5 de Março de 1914, durante 46 anos foi funcionário público, desde sempre manifestando as mais variadas aptidões, nomeadamente de dinâmico dirigente associativo, homem de teatro, humorista, poeta popular, ilusionista, declamador, mimo e, até, músico, como bem atesta a sua passagem e actuações por todas as colectividades do concelho, algumas por esse país fora como no estrangeiro, durante mais de 60 anos, teve ainda colaboração espalhada por vários jornais e mais de uma dezena de livros da sua autoria.

Paz à sua alma.


Aníbal José de Matos

Ainda o caso Mateus (correcção)

Por lapso escrevi "clube penafidelense" em vez de "clube barcelense". As minhas desculpas.

AJM

O pensamento do dia

Coincidência é um pequeno milagre em que Deus preferiu permanecer anónimo.

H.Q.

terça-feira, 26 de setembro de 2006

Ainda o caso Mateus

O presidente do Gil Vicente parece que continua a enterrar-se e, o que é mais grave, a enterrar o clube penafidelense.
Agora, como solução, Fiuza resolveu pedir a demissão, querendo entregar a condução do barco aos outros, porque há evidentes divergências no seio da colectividade no tocante à atitude que vem sendo tomada e que está a arrastar o clube para uma posição incontrolável.
O presidente da AG recusa aceitar a demissão, alegando não haver condições para a sua substituição.
Aonde é que esta situação irá parar?!
O folhetim continua...
AJM

Para a história da Figueira - XLIV

Orfeão David de Sousa


O Orfeão figueirense David de Sousa, fundado em 16 de Abril de 1936, pelo maestro António Fernandes, constitui um dos postais mais eloquentes da história da cultura na Figueira da Foz.
Formado por cerca de 150 componentes de ambos os sexos, as suas actuações, não apenas na Figueira mas em diversos pontos do país e do estrangeiro, marcaram uma época.
Na foto, o Orfeão, numa noite de Gala no antigo salão nobre do Grande Casino Peninsular.

Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

Filósofo é o sujeito que dá aos outros conselhos sobre problemas que ele nunca teve.

W.R.L.

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Fantochada e auto-promoção!

Um dia sem carros
Já repararam bem na fantochada que representa esta instituição de um dia sem carros? Já pensaram bem que se trata de auto-promoção de alguém, passando, inclusivamente, pela prepotência? Será que é significativo, mesmo que a título simbólico, fechar uma ou duas artérias na cidade para contribuir para a solidariedade com os que também assim querem proceder?
Que resultados em 365 (ou 366) dias no ano? Que significado? Que frutos? Que alteração de mentalidades?
Já agora, por que não regressar ao passado e aplicar um dia tal como se vê na imagem que antecede esta postagem? Ponham carros de bois a circular na cidade!!!
Deixem-se de fantasias e de falsas moralidades. Estamos todos fartos de brincadeira. Comecem a trabalhar a sério.
AJM

Para a história da Figueira - XLIII

A Figueira da Foz há 116 anos


Uma imagem de 1890. É o antigo cais da doca, em frente ao actual edifício dos Paços do Concelho.
AJM

O pensamento do dia

O homem que quer seguir sozinho pode partir hoje, mas o que quiser seguir acompanhado tem de esperar até que o outro esteja pronto.

Henry David Thoreau

domingo, 24 de setembro de 2006

Bin Laden tem o cérebro nas pernas...


Bin Laden, o homem mais procurado do mundo, terá morrido em consequência de ter sido atacado pela febre tifoide, segundo "L'Est Republicain", de que extraímos as fotos.

Segundo o Diário de Coimbra, na sua edição de hoje, Bin Laden "estava no Paquistão no passado 23 de Agosto, quando um tifo (doença febril, grave e infecto-contagiosa) lhe causou paralisia cerebral dos membros inferiores.
Donde se conclui que o célebre terrorista, afinal, tinha o cérebro nas pernas... Que tal?!
AJM

Para a história da Figueira - XLII

Figueira doutros tempos

A Figueira da Foz era, então, uma progressiva vila. A Praça Velha (hoje, General Freire de Andrade), apresentava este aspecto em 1868. Repare-se que o Pelourinho se situava em local diferente daquele que hoje ocupa. As voltas que o mundo dá.
AJM

O pensamento do dia

Conselho é aquilo que pedimos quando já sabemos a resposta, mas preferíamos não saber.
Erica Mann Jong

sábado, 23 de setembro de 2006

Um editorial de se lhe tirar o chapéu...



POR AQUI se podem calcular algumas das razões por que que um dia, depois de ter pegado no projecto com entusiasmo, fechei a porta e fui pregar para outra freguesia, porque não conseguia entender-me com quem queria impor-se, com prepotência, nos assuntos da direcção do jornal.
É que, quem não tenha bases jornalísticas, não tem hipótese de ir a qualquer lado, a não ser que ainda tenha quem leia e não perceba.
Embora com alguma relutância, mas porque entendo que o assunto é sério, este de escrever para uma, mesmo que reduzida audiência, aqui vai mais um naco de prosa, em que a revisão ficou no tinteiro, e em que o autor, convicto de que é jornalista, assina, com despudor, um artigo em que lhe falta a língua para dizer amor.

Atenção: ele aqui vai. E é o editorial, cujo título saliento no canto superior direito, em que é preciso respirar fundo para ultrapassar toda a falta de pontos e parágrafos:

"Meus caros leitores muitas vezes chego a pensar que o homem é tão parecido com as marionetas que me parece que o nosso destino e o programa da vida das pessoas está pré determinado à nascença, e mais parece um vamos fazer para outros desfazerem, uns constróem outros fazem a demolição [por alguma razão o autor é construtor civil], enquanto andam milhões de pessoas a trabalhar em investigação em meios de tratamento da saúde, outros encarregam-se de matar que seja o simples suicídio ou o fomento das guerras ou os acidentes de viação ou os acidentes aéreos, enfim uns lutam pela vida ou sua ou dos outros, e outros tantos matam-se e não basta a morte natural ou por velhice, ou por deoença que essas são as causas mais naturais no percurso da vida que obedece às leis e regras da humanidade, desde os primórdios dos tempos, mas é preciso ainda que alguns senhores donos do mundo provoquem povos de outras crenças e de outros costumes declarando-lhes guerra destruindo pelo caminho milhares de vidas de crianças, mulheres e homens indefesos e inofensivos, verdadeiros inocentes que lutam e morrem quase sempre sem saber porquê, que tristeza, o que mais nos custa é que por vezes não se morre fisicamente mas ficamos mortos na nossa dignidade se nos morre um ente querido ouse nos destroem os nossos bens, se nos violam as nossas mulheres, não valeria mais nós também termos ficado no conflito, será que depois disto a vida faz algum sentido?"

Que tal esta beleza de hortaliça? E depois, a imprensa regional queixa-se de falta de apoios!
É que por uns pagam a fava os outros! Faltou-me o fôlego mas consegui transcrever a maior parte deste editorial impressionante...

AJM

Ginásio entra com mão quente


A equipa do Ginásio Clube Figueirense, quase renovada na totalidade, iniciou, da melhor forma, a nova época de basquetebol, vencendo, na primeira jornada do grupo A do Torneio dos Campeões, a sua congénre do CAB Madeira, por um esclarecedor 87-69, em jogo realizado ontem à noite, no Pavilhão Jorge Galamba Marques, perante uma assistência que não ultrapassou os 70 espectadores.
Registou-se o regresso do internacional José Costa, mas a figura do jogo foi o norte-americano Ricky Woods (um nome a fixar), um dos reforços desta temporada, que, à sua conta, marcou nada menos de 33 pontos!
AJM

O pensamento do dia

Pode ser útil ter um pouco menos de esperança no futuro e prestar mais atenção à vida presente através do compromisso total de todas as nossas emoções e das emoções das pessoas que nos rodeiam.

Paul Pearsall

sexta-feira, 22 de setembro de 2006

Para a história da Figueira - XLI

Em memória de meu Pai
Nasceu em Santa Comba Dão mas veio para a Figueira da Foz com 11 anos de idade. Praticamente, dedicou toda a sua vida ao jornal O FIGUEIRENSE, com quem hoje, estou convencido, não se identificaria.
Aníbal Correia de Matos, sobrinho de um dos seus fundadores, Joaquim Gomes d'Almeida, também oriundo da mesma localidade beiraltina, foi tipógrafo, director e proprietário do mais antigo jornal da Figueira da Foz.
Hoje, no início de uma longa história, reproduzo o seu ex-libris.

AJM

O pensamento do dia

A loucura é hereditária. Você pode herdá-la de seus filhos.

S.L.

quinta-feira, 21 de setembro de 2006

Bom trabalho


A Câmara Municipal da Figueira da Foz, através da Divisão de Juventude Desporto e Colectividades, endereçou um ofício a todos os estabelecimentso de restauração da Figueira da Foz, avisando de que no próximo sábado realizar-se-á o Passeio Anual dos Idosos de Santo Tirso, que este ano terá como destino a cidade da Figueira da Foz, avisando-os: "deste modo, e tendo em conta o elevado número de visitantes que a mesma incluirá (cerca de
5 000 idosos), venho antecipadamente alertá-los para o possível acréscimo de clientes que aparecerão nesse dia no vosso estabelecimento, para que consigam dar resposta ao mesmo de forma eficaz".

Sum, senhor. Um bom trabalho. Assim, sim.

AJM

Para a história da Figueira - XL

Figueira da Foz doutros tempos

Uma imagem da marginal da antiga doca, na Figueira da Foz. Pode ver-se o tradicional puxar das redes para o carro de bois.
Repare-se que, por curiosidade, não se vê um único automóvel na imagem. Estávamos em 1945.
AJM

Para a história da Figueira - XXXIX

Prof. Doutor Joaquim de Carvalho

“Decorreu-me a escolaridade entre duas tendências: uma, impulsiva, que me arrastou ao mais ardente jacobismo, outra contemplativa, pela qual me isolava no meu quarto, trabalhando delirantemente. Venceu, afinal, esta última, não sei se por mais forte, se pelas laboriosas desilusões da realidade, embora aquela se não apagasse ainda”, dizia Joaquim de Carvalho em 1919.
Entrou para a Universidade de Coimbra na época das primeiras tentativas de democracia liberal republicana. Formou-se em Direito, em 1914, e, no ano seguinte, em Letras. Em 1917 doutorou-se na Faculdade de Direito e, em 1919, foi nomeado, com dispensa de provas públicas, professor efectivo da Faculdade de Letras.
Joaquim de Carvalho nasceu na Figueira da Foz, em 10 de Junho de 1892, e morreu em 27 de Outubro de 1958. Deixou numerosos e valiosos trabalhos como professor, erudito, escritor e filósofo. Publicou estudos sobre Antero de Quental, António de Gouveia, Leão Hebreu, Espinosa.
Durante a primeira metade de professorado, trabalhou, sobretudo, em temas renascentistas e medievais – em especial a cultura portuguesa dos séculos XV e XVI – estudos, mais tarde, ampliados com novas investigações e sínteses históricas e reunidos, respectivamente, em 1949 e 1947, em dois valiosíssimos volumes dos “Acta Universitatis Conimbrigensis”.
Foi director da Biblioteca da Universidade de Coimbra e professor da Escola Normal Superior de Coimbra. De 1921 a 1935 foi administrador da imprensa da Universidade, tendo promovido a publicação das obras dos nossos clássicos, prestando, assim, um valioso serviço à cultura portuguesa. A Academia das Ciências de Lisboa convidou-o para sócio correspondente, em Fevereiro de 1922, tinha então 30 anos. Foi eleito sócio efectivo em Março de 1932. Cavaleiro da Legião de Honra e “moderator” da “Societas Spinosana” de Haia, representou, em Maio de 1946, a cultura portuguesa nas festas comemorativas da fundação da Universidade de Montpellier, sendo-lhe aí concedido o grau de doutor “Honoris Causa”.
É o patrono da Escola Secundária, antigo Liceu da Figueira da Foz.
É uma das figuras mais ilustres da história da Figueira da Foz.

O pensamento do dia

As dificuldades não esmagam um homem, fazem-no.

Arthur Meighen

Atenção ao temporal

O Instituto de Meteorologia colocou o distrito de Coimbra, assim como outros 10 distritos, em alerta laranja (situação meteorológica de risco moderado a elevado), prevendo-se ventos muito fortes e agitação no mar durante esta quinta-feira.

AJM

quarta-feira, 20 de setembro de 2006





A Direcção Regional de Coimbra do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) acusou a Câmara Municipal da Figueira da Foz de cometer "ilegalidades, discriminação e incúria" para com os funcionários da Autarquia. (…) [in Jornal de Notícias]
[In Figueira.net]

Obrigado!!!


3 000!

É um número bonito e estimulante para continuar a dedicar-me a este tipo de comunicação da era moderna.
O blog nasceu há pouco mais de três meses e meio (criado a 29 de Maio de 2006), e tem merecido a visita de muitos interessados, sobretudo no que respeita às coisas antigas da Figueira da Foz.
Para todos que têm contribuído para o preenchimento deste espaço despretencioso, o meu muito obrigado, restando-me dizer que as portas continuam escancaradas. PRESENTE agradece.
Obrigado.

ANÍBAL JOSÉ DE MATOS

Para a história da Figueira - XXXVIII

Recordar é viver

Muitos não se lembrarão e outros nunca terão sequer ouvido falar, mas o Grande Casino Peninsular (hoje mais conhecido por Casino da Figueira), teve, como complemento das suas actividades, uma piscina que era bastante frequentada, como a foto demonstra.
A entrada fazia-se por uma porta nas galerias do Casino, era sobranceira à Rua Cândido dos Reis.
Isto era no tempo em que no Casino se realizavam garraiadas e gincanas infantis e outras acções dedicadas aos mais pequenos. Outros tempos!
AJM

O pensamento do dia

A esperança é um risco que devemos correr. Trata-se mesmo do risco dos riscos. A esperança não é autocomplacência; é a maior e mais difícil vitória que o homem pode ter sobre a própria alma.

George Bernanos

Ora aí está!

A Comissão de arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), acaba de divulgar um comunicado, assinado pelo seu presidente, Luís Guilherme, digno de ser devidamente escalpelizado.
Por serem os que mais interessam, a seguir reproduzo os pontos 4 a 8, e vejam lá se não tenho razão.
Penso que as entrelinhas dizem mais do que o próprio texto.
Estará a Comissão de Arbitragem, finalmente, a reconhecer que, nesse capítulo, algo vai mal?
Quanto à premeditação não há factos já apurados no célebre caso APITO DOURADO, que mostram claramente que ela existiu em várias situações?
Afinal, a Comissão reconhece que “têm vindo a verificar-se actuações menos conseguidas” e depois, no ponto 8, manifesta “total confiança e solidariedade” para com “todos os Agentes da Arbitragem”?
Se alguém entender isto, explique-me, por favor.


”4. A Comissão de Arbitragem tem vindo a seguir com a maior atenção e preocupação o ambiente de efervescência e crispação que tem vindo a rodear o Futebol Profissional.

5. A Comissão de Arbitragem não pode deixar de reconhecer que entretanto têm vindo a verificar-se actuações menos conseguidas, algumas delas com erros, que inspiram preocupação, e que serão objecto de análise aprofundada e consequentes medidas.

6. É no entanto, inaceitável que alguém afirme que tais erros possam ter sido premeditados.

7. Apela-se portanto, a todos os Agentes Desportivos que intervêm nas competições profissionais, cada um nas funções em que está investido, que contribuam no sentido de criar um ambiente de serenidade e responsabilidade que conduza a um clima de normalidade no desenrolar das competições.

8. Finalmente reafirmamos a todos os Agentes da Arbitragem ao serviço na Liga Portuguesa de Futebol Profissional, a nossa total confiança e solidariedade, incentivando-os a que, com a serenidade que o exercício das suas funções impõe, sejam firmes na aplicação das Leis e Regulamentos e das directivas que lhes foram transmitidas.

Porto, 19 de Setembro de 2006
A Comissão de Arbitragem,
O Presidente,
Luís Guilherme”

terça-feira, 19 de setembro de 2006

Poesia

Quadras de António Aleixo

Sabes quando me convenço
a pensar como tu pensas?...
É quando tu me convenças
que pensas tal como eu penso.

Mas como sei que não queres
pensar p'la minha cabeça...
tu pensas o que quiseres,
eu penso o que me apeteça.

Rouba muito que, de resto,
terás um bom advogado
que prova que és mais honesto
que propriamente o roubado.

Faz-te lobo traiçoeiro,
inteligente e astuto...
se dás a ver que és cordeiro,
não vives mais um minuto.

Tu que vives na grandeza,
se calçasses e vestisses
daquilo que produzisses,
andavas nu, com certeza.

O pensamento do dia

Não nos esforçamos o suficiente quanto às qualidades humanas fundamentais. Nunca devemos esquecer o significado das palavras mais simples e básicas – palavras como honestidade e verdade. Temos muitos aparelhos, máquinas, computadores complicados, e estamos tentando enganar a vida com estas coisas. Só pensamos em como progredir mais e como obter mais para nós. Fomos longe demais nesse sentido. Perdemos o senso do equilíbrio.

Lech Walesa (1984)

segunda-feira, 18 de setembro de 2006

Naval voltou a perder com o Porto

Querer jogar de igual para igual deu nisto

Louve-se a atitude de Rogério Gonçalves em tentar jogar de igual para igual com o FC Porto, sabendo o valor individual e colectivo dos campeões nacionais. Essa atitude, fruto de alguma sobranceria face aos resultados das duas primeiras jornadas, custou-lhe a primeira derrota. Os portistas, como diria Jesualdo Ferreira no final, até agradeceram, já que as dificuldades foram menores para a sua equipa.
De qualquer forma, a Naval mostrou ter uma equipa bem constituída, mas o segundo golo, marcado por Mário Sérgio na própria baliza (Taborda não ficou isento de culpas), sentenciou a partida.
Uma coisa ficou provada: com a equipa apresentada e o tipo de futebol praticado (um tanto ou quanto arriscado, é uma verdade), a Naval demonstrou montes de possibilidades de, com alguma tranquilidade, ao invés da temporada transacta, prosseguir na divisão maior do futebol nacional.
AJM

O pensamento do dia

O importante é não deixar para amanhã o que deixámos ontem para hoje.

Aldo Cammarota

domingo, 17 de setembro de 2006

"O Jogo"

Assim continua o futebol português. Continuem que estão no bom caminho...


Tive sempre, ao longo dos tempos, uma simpatia muito particular pela realização levada a cabo pelo extinto Grupo Desportivo da CUF do Barreiro, os seus Jogos Florais, que captavam o interesse de prosadores e poetas de vários cantos do mundo.

Como já tive oportunidade de o referir, o figueirense António Sousa Freitas fez parte do júri duma das suas edições, e aqui vai mais um lote de poemas premiados nos XV Jogos Florais, realizados em 1972:

Quadras:

1.º prémio:

Sendo o mar quase infinito
Cabe num lenço dos meus
Nesse lenço que eu agito
Quando te aceno um adeus.

Dimas Lopes de Almeida

2.º prémio:

Quando a vida me deixar,
Quero na campa encimado,
Este verso lapidar:
Aqui jaz… contrariado”!

António dos Santos Coentro

3.º prémio:

É alcatruz duma nora,
Teu coração, desconfio:
Se agora deita por fora,
Em seguida está vazio.

Dimas Lopes de Almeida

Menção honrosa:

Amiga, amiga a valer
A minha sombra, essa sim,
Que haja lá o que houver
Nunca se afasta de mim.

António dos Santos Coentro

Menção honrosa:

Para quê tanto mentir,
Tanto ódio, tanta guerra,
Se ninguém pode fugir
Aos sete palmos da terra?!...

Francisco Salvação Nobre

AJM

O pensamento do dia

Todas as pessoas sorriem no mesmo idioma.

Morris Mandel

sábado, 16 de setembro de 2006

Até tem a ver...


Na verdade até tem a ver com o apontamento anterior, também extraído do EXPRESSO.
Não se trata, quanto a mim, de clubismo, nem sequer a relevância vem do facto do triunfo do Sporting sobre o Inter, para a Taça dos Campeões Europeus.
Mas não resisto a transcrever a pequena nota, assinada por João Garcia, subdirector daquele semanário:
"Paulo Bento - Treinador do Sporting -Ter ganho ao Inter, ainda por cima com uma exibição convincente, já seria suficiente para destacar o jovem treinador. A seu favor tem ainda o facto de ser dos poucos que sabem estar no futebol com dignidade. É pena não fazer escola."
AJM

Estavam à espera de quê?

APITO DOURADO

Estou mesmo a ver que a montanha vai parir um rato.
Vem isto a propósito duma local publicada no Expresso, assinada por Ricardo Jorge Pinto, cujo título é uma premonição em que todos acreditam (ou quase todos, porque ainda há ingénuos), e é do seguinte teor: “Apito dourado ameaça ruir”.
E, para melhor elucidação, passo a citar uma ou outra passagem: “O processo Apito Dourado deve entrar em fase de instrução nos próximos dias, mas encontra-se sob três ameaças que podem fazer cair as acusações sobre os 27 arguidos (13 deles árbitros)”.
E o articulista esclarece, falando da possibilidade “de os tribunais declararem ilegais as escutas”, “inconstitucionalidade da Lei da Corrupção Desportiva” e, ainda, o facto de “estarem a ser arquivados alguns casos em tudo idênticos aos que servem de base à maioria das acusações, podendo abrir precedentes jurídicos”.
Nas, no fundo, estava-se à espera de quê?
Não se está mesmo a ver que, a coberto de se libertar das acusações a raia graúda, os mais pequenos também acabam por beneficiar desta autêntica vergonha que se passa no futebol português?
Afinal, para que serviram as investigações da Polícia Judiciária? Que motivações podem continuar a ter os seus intervenientes se, depois, o seu trabalho vai por água abaixo e tudo fica como dantes, quartel-general em Abrantes?
E atenção, que os processos a arquivar não se vão ficar apenas por aqui (digo eu).
Estão mesmo a ver a que me refiro…
E mais: ao fim e ao cabo vão ver que o Estado, com o nosso dinheiro, ainda acaba por ser condenado a pagar indemnizações aos arguídos que estiveram em prisão preventiva...

ANÍBAL JOSÉ DE MATOS

O pensamento do dia

Pouco importa que se diga a uma criança "Eu amo-te" em português, inglês, francês ou alemão, porque a linguagem do afecto é universal. A mão que acaricia o rosto de um pequenino, transbordante de carinho, não tem nacionalidade. O Sol é Sol, a água é água, o leite é leite, o pão é pão, a cama é cama, o lar é lar em qualquer lugar. Nem há dificuldade de comunicação, de interacção, quando se coloca nos lábios e no coração este sentimento quente e nobre que se chama amor.

Moacir Danilo Rodrigues, ex-juiz de menores, a propósito da adopção internacional.

sexta-feira, 15 de setembro de 2006

Complemento

Este é o tal marco que assinala (falta-lhe a descrição, que foi eliminada após o 25 de Abril de 1974) a inauguração, em 1966, do porto da Figueira da Foz

Para melhor esclarecimento e satisfação do solicitado por um dos meus mais assíduos visitantes. (É mesmo ao lado do chamado Parque das Gaivotas).

AJM (texto e foto)

Para a história da Figueira - XXXVII

A história não se apaga


Completam-se 40 anos (1966) sobre a data da inauguração do novo porto da Figueira da Foz, acontecimento que registou a presença do presidente da República.
No local existe um marco, que teve inscritas as palavras que descreviam o acto e o seu significado, mas que alguns pseudo-democratas entenderam por bem, após o 25 de Abril de 1974, apagar completamente, retirando todas as letras que assinalavam um passo importante para o desenvolvimento da cidade.
Hoje, está ali um mamarracho, que ninguém sabe o que significa. Já foquei este tema num órgão de comunicação local, mas nada adiantou.
Já não digo que se reponha (o que seria correcto) todo o fraseado que o marco, à entrada do molhe norte delineador da entrada da barra, continha, mas, no mínimo, que ali se coloque uma placa que indique o que o mesmo representa.
Doutra forma, o melhor (?) será tirar dali aquele mono de pedra.
Mas atenção: por mais que muitos queiram, a história não se apaga mesmo que o pretendam fazer os que querem ser mais papistas do que o Papa.
Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

A primeira responsabilidade de um ser humano é dar um aperto de mão a si próprio.

Henry Winkler

quinta-feira, 14 de setembro de 2006

Poesia

Elegia

No derradeiro esquife perfumado,
Em que dormias, pálida e formosa,
Inclinando a cabeça silenciosa
Como um pequeno lírio desbotado,

Lembravas um sorriso imaculado,
Uma ilusão já morta, alguma rosa,
Que se evolasse desta vida ansiosa
Para as bodas do místico noivado.

Dormias… entre as tuas mãos pequenas
Alguém pusera um ramo de açucenas,
Um pequenino ramo delicado…

Pálido o rosto, as mãos brancas de neve,
Foi assim que eu te vi passar de leve
Como um pequeno lírio desbotado.

Eugénio de Castro

O pensamento do dia

O disfarce favorito das oportunidades são as dificuldades.

Frank Tyger

quarta-feira, 13 de setembro de 2006

Para a história da Figueira - XXXVI

Um anúncio de 1879!
Para a história figueirense aqui vai mais um exemplar de anúncio publicado no Almanaque da Figueira, de que possuo um exemplar, publicado em 1879.
Vejam a curiosidade e a volta que os tempos dão. "...vinhos do Porto, Madeira, Malaga, Champagne, Bordeaux, Carcavelos, Setúbal....", "....bolachas de Coimbra, Lisboa e extrangeiras, legítima canna de Paraty [não se trata do árbitro...], farinhas ferruginaes e peitoraes....", ..."sopa Juliana...." e, principalmente, "preços commodos"!
O anúncio refere-se, como já repararam, à Mercearia Central, "ao cimo da Praça Nova".
AJM

O pensamento do dia

A vida começa com a criança a tentar ser homem e termina com o homem a redescobrir a criança.

Laurents van der Post

terça-feira, 12 de setembro de 2006

Arte

É um artista figueirense


Zé Penicheiro não é um artista híbrido. Não se fez pintor da noite para o dia. Não nasceu na Figueira, mas considera-se figueirense pelo coração, e a Figueira já o soube reconhecer.
Esta é a reprodução de uma serigrafia dum quadro que Zé pintou em 1996, e me ofereceu, já lá vão 20 anos. A idade não afecta o artista, que continua a fazer obras de grande nível.
Um abraço, Zé.
Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

Quase toda a gente passa mais tempo a pensar no que vai fazer numas férias de 15 dias do que no que vai fazer com o restante tempo da sua vida.

Pravina Sookdhew

11 de Setembro - 5 anos depois

A América chorou os seus mortos

Completaram-se hoje cinco anos sobre o atentado que abalou o mundo. As torres gémeas do Word Trade Center foram derrubadas, a 11 de Setembro de 2001, por dois aviões pilotados por terroristas, morrendo milhares de pessoas.
O impensável aconteceu e escreveu-se uma página negra da história que jamais se poderá esquecer.
Isto é um exemplo do quadro de terror que se vive dia a dia, um pouco por todo o mundo, com milhares de vítimas inocentes.
Os Estados Unidos assinalaram, com toda a solenidade, o quinto aniversário da tragédia que enlutou milhares de famílias.
AJM

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Para a história do desporto figueirense

Como já ontem salientei, a Naval fez história no que respeita ao futebol, ao derrotar, pela primeira vez, a Académica, um eterno rival, no próprio estádio Cidade de Coimbra.
A imprensa desportiva de hoje releva o facto, e, para a história do desporto figueirense, aqui ficam alguns títulos alusivos ao feito da equipa orientada por Rogério Gonçalves.

"Record"

"A Bola"

"O Jogo"

AJM

Para a história da Figueira - XXXV

Varanda dos Rouxinóis


Em Dezembro de 1939, era estreado o filme português “Varanda dos Rouxinóis”, realizado por Leitão de Barros.
Na imagem (gasta pelo tempo), uma reprodução do jornal “Rádio Nacional”, n.º 125, de 17 de Dezembro de 1939, mostra-nos as duas principais intérpretes, Dina Teresa e a figueirense MADALENA SOTO.
Nos estúdios na ex-Emissora Nacional, que se vêem na foto, as duas actrizes interpretaram algumas das canções do filme.


AJM

O pensamento do dia

Pare de justificar o egoísmo alegando que "o mundo é uma selva". Ele pode também ser um jardim, dependendo de se querer plantar e regar, ou saquear e destruir.

Sydney J. Harris.

domingo, 10 de setembro de 2006

Matar o carneiro!!!

Finalmente!!!

A Naval conseguiu, finalmente, matar o carneiro, vencendo a Académica, no Estádio Cidade de Coimbra, por 2-1, triunfo que acontece, pela primeira vez, no historial de jogos oficiais entre as duas equipas.
Ao intervalo, os figueirenses perdiam por 0-1, mas, no segundo tempo, e com a equipa reduzida a 10 unidades por expulsão do capitão Fernando, estes lograram alcançar a mais que justa vitória, perdendo ainda outras ocasiões de avolumar o resultado, ficando na retina dois remates à barra.
Nei foi o herói do jogo, com um golo e uma exibição de alto gabarito.

AJM

Poesia

Pingo de sal


Olhos límpidos, suaves, cristalinos
onde perpassam matizes sedutores
e a vida esvoaça em alegres tons de verde...

Olhos que riem, sorriem, se deleitam
no contemplar feliz da mocidade
que fugaz se perde no infinito.

Teus olhos onde a sombra melancólica
depõe fantasmas na penumbra dos espaços.

Onde o brilho é mais intenso
e me perturba,
porque sei que a nuvem que os invade
vai provocar a lágrima que não quero,
esse pingo de sal que não desejo!

Aníbal José de Matos ("Conflitos", 1992)

O pensamento do dia

Muitas pessoas que se gabam da sua boa memória lembram-se de coisas que mais valia serem esquecidas.

Sydney J. Harris

sábado, 9 de setembro de 2006

Arte

Armistício (Quadro de Munier)

Um quadro de Munier, intitulado "Armistício", publicado no semanário científico, literário e artístico, "A Ilustração de Portugal e Brasil", n.º 13, de 28 de Março de 1885.

(Da minha colecção particular)

AJM


O pensamento do dia

Esquecer uma ofensa cria laços de amizade; insistir nela separa os maiores amigos.

Provérbios, 17:9

sexta-feira, 8 de setembro de 2006

E agora?

Segundo fonte veiculada pela agência noticiosa LUSA, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa negou, hoje, provimento à contestação apresentada pelo Gil Vicente, no caso Mateus.
Os gilistas contestavam a invocação de interesse público por parte da Federação Portuguesa de Futebol.
Na reunião da assembleia geral, ontem realizada em Barcelos, foi avançada a hipótese de recurso ao Tribunal Europeu.
O folhetim prossegue. Aguarde-se pelo próximo capítulo...
AJM

Para a história da Figueira - XXXIV

Associação Naval 1.º de Maio - Passado e Presente
“Acaba de fundar-se nesta cidade uma sociedade de rapazes artistas, que tomou por denominação a epígrafe acima. Como início auspicioso do que ela promete, realizou no primeiro do corrente um passeio fluvial até Lares, e à noite efectuou uma animada reunião na antiga sala da Filarmónica Figueirense, na Rua Direita do Monte. Ontem, 2 de Maio, houve eleição da direcção, da qual foi nomeado presidente o conhecido banheiro da nossa praia, o sr. João da Encarnação, tesoureiro, o sr. Carlos Augusto de Oliveira, secretário o sr. António Ribeiro da Costa e vogais os snrs. António Monteiro e António Boanova”. (Do “Correio da Figueira”, de 3 de Maio de 1893).
Esta foi a primeira sede da Naval, na Rua Direita do Monte

Da foto constam os sócios fundadores da velha agremiação: 1- Manuel Daniel; 2- José Galves; 3- Albino Nunes da Cunha; 4- Frutuoso Abel Santos; 5- Manuel Loureiro; 6- João da Silva Rascão; 7- Abílio José da Silva; 8- Joaquim Vital; 9- Albano Custódio; 10- Manuel Maria Loureiro; 11- Lourenço Santos; 12- Caetano Baptista; 13- Raimundo Esteves; 14- João Inácio dos Santos; 15- Joaquim Maria Portugal; 16- Francisco Viana; 17- António Ribeiro da Costa Guia; 18- José Fernandes Mesquita; 19- João Ornelas; 20- Carlos Augusto de Oliveira; 21- João da Encarnação Pestana; 22- António da Silva Monteiro; 23- Manuel Rodrigues Boa-Nova; 24- Constantino Pessoa; 25- António Domingues; 26- José Carlos da Cruz; 27- António Roque Gázio; 28- Ernesto Pedrosa.

Este é um pedaço de história da Naval 1.º de Maio, hoje uma colectividade completamente diferente, até nos propósitos. Diria que não há qualquer elo de ligação entre a associação que aqueles fundadores construíram e o clube que hoje conhecemos…

AJM

Para a história

Ditador recebe título honorífico

Esta foto, pouco conhecida, retrata o momento em que Salazar recebeu o grau de doutor honoris causa, pela Universidade de Oxford. A imagem é extraída da revista quinzenal, "Mundo Gráfico", no seu número 14, de 30 de Abril de 1941, durante a segunda grande guerra. Era director desta publicação, Artur Portela e a edição foi "visada pela Comissão de Censura"...

AJM


Para a história da Figueira - XXXIII

Muitos poetas têm cantado a Figueira da Foz ao longo dos tempos.

Reproduzo algumas quadras, publicadas em 1925, assinadas com pseudónimos:

Aun que no se lo crea,
en mis sueños siempre inquietos,
me gusta mui más Figueira
que las playas de Marruecos...

Banhista espanhol

Figueira, terra encantada,
onde o destino me trouxe:
fizeste de água salgada
um poeta de água doce...

Poeta provinciano

Lo que me gusta en Figueira
no son las olas que danzan,
son los ojos de ternera
que los muchachos me lanzan.

Uma madrileña

O pensamento do dia

A oportunidade nunca chega. Vive aqui.

Claude McDonald

O folhetim MATEUS

Gil Vicente em pé de guerra
À hora a que encerro esta edição do meu blog decorre a reunião da assembleia geral do Gil Vicente e, pelo que já se ouviu, parece que os nortenhos não desarmam e não temem as consequências.
A votação referente à decisão a tomar pelo Gil já começou, com o país desportivo a seguir com a maior expectativa este caso que abalou o futebol português.
Fico com a impressão de que ainda vai correr muita tinta e o assunto não morre aqui.
A ver vamos.
AJM

quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Ainda o caso Mateus

Hoje, com a reunião da Assembleia Geral do Gil Vicente, deve ser o dia de grandes decisões para os lados de Barcelos.
Quatro mil associados vão comparecer, muitos irão botar fala, mas, cá para mim, a montanha vai parir um rato e o Gil desiste das queixas em tribunais civis e, conforme alguns sócios e antigos dirigentes já o fizeram prever, o clube vai, calma e tranquilamente, disputar a Liga de Honra, de forma a evitar que sanções mais gravosas e de difícil resolução racaiam sobre o emblema nortenho.
Isto não querer ser adivinho. Mas é, pura e simplesmente, um pressentimento.
A atitude da Juventus deve ter desmobilizado o Gil e os homens do Galo começam a tremer.
A ver vamos.

AJM

O pensamento do dia

Mais vale pão seco comido em paz do que banquete em casa cheia de contendas.

Provérbios, 17:1

quarta-feira, 6 de setembro de 2006

O caso Mateus

O folhetim continua?

Para já, os jogos com intervenção do Belenenses e do Gil Vicente, referentes às 2.ªs jornadas da BwinLiga e Liga de Honra, estão marcados e com árbitros designados.
Assim,

BwinLiga:

Belenenses - Vitória de Setúbal (Rui Costa)

Liga de Honra:

Gil Vicente-Feirense (Paulo Baptista)

Acreditam que os jogos se vão mesmo realizar? Ou será que o assunto fica mesmo por aqui? A desacreditação do futebol português vai prosseguir ou o bom senso vai imperar?
Parece que, segundo li, o Gil Vicente, agora, quer é ser indemnizado. Pode, afinal, parecer que é tudo uma questão de dinheiro... ou seja: dêem uns euros aos de Barcelos e eles calam-se. Será?

AJM

Poesia

Rio Mondego

Oriundo das serras e dos montes,
Cursando penedias, vagueando,
No sonho o mar, no ventre as fontes,
Uma cantiga nos lábios trauteando...


No percurso veios tortuosos
Em que motivos de beleza florescem,
A todo o passo outros mais mimosos
Em terno enlevo seu doce leito vestem.


Por fim o sonho a converter-se
Em malhas coloridas que ao tecer-se
O transportam ao termo da canseira

Todo o sempre repetida com querer.
A compensar da jornada, o prazer
Do abraço carinhoso da FIGUEIRA!

Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

Os livros são o passaporte para todo o Mundo; se não puder fazer mais nada, leia tudo o que puder.

Jane Hamilton

terça-feira, 5 de setembro de 2006

Vicente

Este é o Vicente Nuno

Desculpem lá este avô babado, mas não queria deixar passar o 21.º mês de existência do meu neto, Vicente Nuno (completado no dia 1 de Setembro) sem publicar, no meu blog, uma das suas recentes fotografias.
AJM

O bom filho à casa torna

José Costa de volta ao Ginásio


Razões que ultrapassaram as do próprio atleta, levaram a que o internacional José Costa abandonasse do Ginásio, rumando a outras paragens, nomeadamente o FC Porto e o Aveiro Basket.
A notícia, que a todos satisfaz, é aquela publicitada pela página oficial do Ginásio Clube Figueirense, de que o Zé volta ao clube de origem, para o representar na época que se avizinha.
Parabéns ao Ginásio e ao seu atleta de sempre.
AJM

O pensamento do dia

O problema da vida é que geralmente leva-se uma vida inteira para aprender a vivê-la.

O.A. Battiste, em Our Family

segunda-feira, 4 de setembro de 2006

Uma dupla que se desfez

Tão amigos que eles eram!

Aprígio Santos e Falcão, uma dupla que se desfez! Será que o Falcão, com a pomposa designação de director desportivo da Naval, queria mandar mais do que o chefe?...

O caso Mateus

Naturalmente que não há nenhum dos meus amigos visitantes que já não tenha ouvido falar no caso Mateus.
Tenho a minha opinião formada a propósito deste imbróglio, o que não quer dizer, longe disso, que seja a correcta siobre um tema em que pessoas que, obrigatoriamente, deveriam estar consciencializadas para resolver a situação, não encontram solução.
Meus amigos: se fizerem o favor, gostaria de saber do vosso entendimento sobre este assunto, até para me ajudarem a formar uma opinião mais correcta.
Quem tem mais poder e legitimidade? Os tribunais civis ou as instituições desportivas? Alguém pode ser condenado por recorrer aos tribunais civis? A lei de bases do desporto nacional ultrapassa todas as outras instituições? Isto é constititucional? A FIFA superindende no desporto nacional? Que culpa têm o FC Porto, o Sporting e o Benfica, relativamente a um assunto em que não tiveram qualquer intervenção directa ou indirecta? E as selecções nacionais? O que pensam sobre o que irá sair da assembleia geral do Gil Vicente? Será um descarte do presidente do clube?
Sobre estas e outras situações relativamente ao mesmo assunto, gostaria de saber a vossa opinião.
Se fizerem esse favor, agradeço.
Aníbal José de Matos

O pensamento do dia

Há pessoas que desfazem sobre os defeitos dos amigos; isto não leva a nada. Eu sempre prestei atenção às realizações dos meus adversários, e lucrei com isso.

Goethe

domingo, 3 de setembro de 2006

Pelo mundo

O principado, entre Espanha e França, com uma longa história



Andorra, um paraíso
Andorra não é só, o que já seria muito, o paraíso dos esquiadores. Situada entre Espanha e França, nos Pirinéus, Andorra é um local extremamente bonito, em que tudo se concilia. Esta foi uma foto tirada no decorrer duma breve passagem por este principado.
AJM

Alguma vez havia de acertar

Alberto João Jardim, presidente do governo regional da Madeira, tem sido acusado de dizer muitos disparates e, alguns, reconheço, bradam ao Céu.
Mas acabo de lhe ouvir uma frase, relativamente ao caso Mateus, que opõe o Gil Vicente ao Belenenses, com Federação Portuguesa de Futebol, Liga Profissional de Futebol e a própria FIFA, para não falar dos tribunais civis, pelo meio, a que dou inteira razão:"Portugal é um país à deriva".
Estou em absoluto acordo.

AJM

O pensamento do dia

Minhoca que cedo madruga é comida por passarinho.

B.

sábado, 2 de setembro de 2006

Aviso à navegação...

ATENÇÃO:
No Bairro do Cruzeiro, na Figueira da Foz, larápios, pela calada da noite, andam a roubar a roupa dependurada nas cordas dos prédios.
Até aqui, era a gasolina dos automóveis. O que se seguirá?
AJM

BRASIL

Recordações de uma viagem ao Brasil (2005)


Em São Juan del Rei, em terras de Vera Cruz, deparei com esta placa num dos edifícios de referência da cidade.
AJM

Para descontrair...

Diante de uma fábrica em greve, havia um grupo de homens a fazer piquete. Um caminhão encostou ao portão, e um dos trabalhadores foi falar com o motorista. Depois de alguns minutos de conversa, o motorista concordou em fazer a manobra e ir-se embora.
A propósito - perguntou o trabalhador - o que é que você transportava?
O dinheiro do pagamento da semana passada, para vos entregar - respondeu o motorista, já com o caminhão em andamento.

O pensamento do dia

Jamais elogie alguém como se estivesse à espera de troco.

Bits & Pieces

sexta-feira, 1 de setembro de 2006

As investigações do Detective…


Na edição de ontem do jornal “Correio da Figueira”, pode ler-se o seguinte artigo, fruto das investigações do DETECTIVE, que, como toda a gente sabe, é o próprio proprietário e director, José Alberto Dias.

“……Então Senhor Presidente nem sequer o comboio apitou na marginal, enfim tivemos um cavalo e uma charrette, valha-nos isso, mas os turistas nunca fizeram fila para ir passear de charrete, ai que saudades dos anos em que não se davam dois passos sem que se encontrasse um conjunto ou um rancho folclórico ou um baile ou os gaiteiros ou os zés Pereira. Agora!? Visto-los zero. Bem o Senhor Presidente da Câmara não quer gastar dinheiro, mas com uma cidade apagada para o próximo ano não tem cá ninguém as pessoas que estão de férias querem: barulho, festa, comida, diversão, espectáculo para contrariar os aborrecimentos do dia a dia que são mais que muitos, se chegam à nossa cidade e só encontram coisas como os esgotos de Buarcos, os buracos da Ponte Galante e a tenda do Parque das Gaivotas, é naturalmente muito pouco……”

E tenho dito. Ponto final, parágrafo. Mas, já agora, todos esperamos que para o ano haja mais “barulho, festa, comida….”, que venham os “gaiteiros ou os zés Pereira”, porque, na realidade, “esgotos de Buarcos, os buracos da Ponte Galante e a tenda do Parque das Gaivotas, é naturalmente muito pouco”.

AJM

O pensamento do dia

A integridade não é uma palavra condicional. Ela não flutua ao sabor do vento, nem muda com o tempo. Ela é a imagem interior de nós próprios. Se olharmos lá para dentro e virmos um homem incapaz de prejudicar quem quer que seja, então teremos a certeza de que ele nunca o fará.

John D. MacDonald