sábado, 29 de junho de 2013

Alcino Lebre

Estranho desaparecimento
 
 
Alcino Lebre, de 79 anos, professor primário aposentado e colaborador do jornal paroquial figueirense, O DEVER, está desaparecido desde o meio dia de quarta-feira, tendo-se gorado todas as tentativas para o encontrar, embora, em princípio, a área onde deixou de ser visto (nas proximidades do antigo Seminário da Figueira da Foz, seja bastante limitada.
Um desaparecimento estranho duma figura bastante conhecida na Figueira.
Na foto, do meu arquivo, Alcino Lebre em reportagem no Casino da Figueira da Foz, numa conferência proferida por Linhares Furtado em 9 de abril de 1999.
A imagem do dia
 
 
Nem sempre... as árvores morrem de pé!
Serra da Boa Viagem - Figueira da Foz
29.6.2013- 12 horas

Figueira da Foz em imagens

Imagens da minha terra
 
 
Voando nos céus da Figueira

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Figueira da Foz em imagens

Imagens da minha terra
 
 
Na praia, um final de dia diferente!!!
Cabo Mondego, Figueira da Foz . Portugal
28.6.2013, 21 horas

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Em conferência de imprensa...

"Face aos primeiros números de adesão à greve geral desta quinta-feira, o líder da CGTP, Arménio Carlos, classifica-a como "excepcional". Verificou-se uma "fortíssima expressão do sector público, privado e sector empresarial do Estado", disse em conferência de imprensa ao início da tarde, em Lisboa, para um primeiro balanço da adesão."
In Público online
.
Digo eu: Ainda bem que a comunicação social não aderiu à greve, pois de contrário a CGTP não podia ter promovido esta conferência de imprensa...

A Figueira agradece

Greve geral enche...praias
 
 
Agosto transferiu-se, neste dia de junho,  para as praias da Figueira da Foz que se encheram em resultado da greve geral. Os trabalhadores aproveitaram o dia e estão a deliciar-se com a temperatura estival.
É a lei das compensações em democracia...

O pensamento do dia

"Quem pergunta é idiota por cinco minutos; quem não pergunta fica idiota para sempre."

Wang Wei (701 – 761) Poeta, pintor e estadista chinês.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Para a história do desporto figueirense

José Bento Pessoa
25 de junho de 1905
José Bento Pessoa, o ciclista figueirense  campeão de Espanha e recordista mundial, vence o italiano Messori, um dos melhores ciclistas transalpinos, no velódromo de Lisboa.
Quando a notícia foi conhecida na Figueira da Foz, estralejaram centenas de foguetes e, à noite, a Filarmónica Figueirense saiu para cumprimentar o Ginásio (clube a que o ciclista estava ligado), seguindo, acompanhada de muito povo, para junto da residência do atleta, onde cumprimentou a família do campeão.

O pensamento do dia


Nenhum indício melhor se pode ter a respeito de um homem do que a companhia que frequenta: o que tem companheiros decentes e honestos adquire, merecidamente, bom nome, porque é impossível que não tenha alguma semelhança com eles.”
Adam Parfrey (Jornalista norte-americano)

sábado, 22 de junho de 2013

Para a história da Figueira da Foz CCLXVII

Saudades do Parque-Cine
 
 
Em 1907, o animatógrafo Parque (ou Parque Cinema), situado no Bairro Novo, nas ruas hoje designadas Cândido dos Reis e Engenheiro Silva, na Figueira da Foz, abre ao público. Era, na altura, um barracão de madeira com telhado de zinco e sofreria diversas modificações ao longo das décadas de 1920, 30 e 40.
 
Em 1971, viria a encerrar por falta de condições de segurança, e a 19 de março de 1985, iniciavam-se as obras de demolição.
 
O Parque-Cine, como definitivamente viria a ser designado, foi palco de grandes espetáculos de teatro, com a presença das melhores companhias, e de outras atividades artísticas, com o cinema a merecer um carinho muito especial.
 
 
A lotação era de cerca de 1500 espetadores, divididos por vários pisos onde se situavam plateia, frisas, camarotes, balcão, geral numerada e geral simples.

O pensamento do dia

Nota: Como este pensamento (aqui editado em janeiro de 2012), segundo as estatísticas de PRESENTE, tem sido dos mais visualisados, aqui se volta a publicar. 

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Para a história da Figueira da Foz CCLXVI

Prémio Nacional da Música
 
 
Em Março de 1988 (vão decorridos 25 anos), o Grande Casino Peninsular, na Figueira da Foz (Portugal),  foi palco dum acontecimento de grande relevo no panorama musical português, com a realização do Prémio Nacional da Música, numa iniciativa do maestro José Calvário que, em termos de cenografia, transformou completamente o vasto salão de festas daquela centenária casa de espetáculos.
Dora foi a vencedora, com a canção Déjà vu.
 

ATL no Museu


O Museu Municipal Santos Rocha da Figueira da Foz recebeu a visita de alunos frequentadores do ATL da Cáritas da Escola Cristina Torres e João de Barros, dois estabelecimentos de ensino desta cidade.
Os alunos participantes conheceram o Museu com recurso a jogos didáticos, aprendendo desta forma a sua história e apreciando as coleções permanentes no jogo “Com sorte ou azar a escada terás de passar!”. O jogo “Antes de nós/Caça ao Tesouro”, levou os alunos à descoberta das diferentes peças encontradas em escavações pelo fundador do Museu, numa simulação de uma escavação arqueológica. Por fim, o “jogo dos cromos”, permitiu-lhes conhecer peças específicas comentadas nas edições de 2012 e 2013, na iniciativa ”Os cromos do Museu”, que decorreu no mês de maio.

Sonhar é fácil

Em 5 de julho de 1990, o Correio da Figueira, então sob a direção de Jorge de Santiago Pinto, titulava esta explosiva notícia, por si assinada, condensando uma entrevista concedida pelo presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz na altura, Alfredo Aguiar de Carvalho, ao jornal Expresso.
Na notícia, salientava-se que o novo aeroporto teria uma "Universidade do Ar" e a construção contaria com 90 por cento de operários portugueses!!!
Pois bem, de tudo o previsto para 1993 (já lá vão 20 anos) parece que ficou apenas o que já existia, ou seja o... ar, mas sem universidade...

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Para a história da Figueira da Foz CCLXV

A caminho dos 130 anos
 
 
O edifício do Casino da Figueira, no início Theatro-Circo Saraiva de Carvalho (na imagem), completa 130 anos em 2014.
Para a história, aqui ficam alguns apontamentos recolhidos dum opúsculo da autoria de José Pires Lopes de Azevedo, editado aquando do primeiro centenário daquela casa de espetáculos e, mais tarde, também de jogos.
.
"Entretanto, e para nós hoje aqui, a década de 80 é o advento do grande Theatro-Circo, do qual agora festejamos o primeiro centenário.
Todos sabemos das circunstâncias que rodearam o caso: não vamos demorar nelas. Augusto Saraiva de Carvalho, quando ministro das obras públicas no governo de Anselmo Braancamp (1-VI-1879 - 25.III.1881), prometera trazer até à Figueira a linha da Beira Alta, o que acabou por acontecer. Em 1880, pretenderam os progressistas locais homenageá-lo por isso, e fizeram-no. Simplesmente os regeneradores dificultaram a homenagem.
Talvez por esse motivo, junto a outras razões estimulantes da competição partidária, tenha desencadeado a hipótese de alargar os confrontos a mais um domínio: ao Theatro Príncipe, decidiram os progressistas contrapor um outro, seguramente mais ambicioso.
Dinamizando o movimento, está o poderoso comerciante e exportador de vinhos, Joaquim António Simões, que tudo sacrificava aos seus ideais políticos.
O Comércio da Figueira de 31 de Março de 1883, anuncia o início dos trabalhos preparatórios da construção do edifício, "no bairro ocidental, que é o bairro da elite da colónia balnear", E a notícia acrescenta: "O espaço ocupado pelo edifício é de mais de quatro mil metros, e pode admitir 3.600 espectadores"... Era a conciorrência: o rival, Theatro Príncipe, comportava não mais de 800 lugares... Quanto à planta da projectada construção, que o mesmo periódico dizia ser "soberba de beleza", era da responsabilidade do arquitecto José Luís Monteiro, o mesmo que entre outras obras assinara a da Estação do Rossio.
Em Dezembro do mesmo ano se constituiu uma sociedade por acções, com estatutos de Julho do ano imediato. E, cinco meses depois de iniciados os trabalhos, aos 3 dias de Setembro de 1884, uma Quarta-feira, o Theatro-Circo Saraiva de Carvalho pela primeira vez abria as suas portas a um público numerosíssimo e ansioso de ver.
E, já agora, a rematar o assunto, só mais uma observação: sobre todo o acontecimento, arrojado à escala do País inteiro, a regeneradora Correspondência da Figueira faz silêncio absoluto!...
A obra, porém, ficou; e aí está, sendo mudada em casino, neste Grande Casino Peninsular (...)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Bartolomeu Dias

Aluno do Paião (Figueira da Foz)
desenhou
 
há 25 anos...
 
 
 
Há 25 anos, um jovem estudante de seu nome João Paulo Lourenço Freitas, então com 15 anos de idade, aluno da Escola C+S do Paião, fez este desenho para o concurso "Bartolomeu Dias 88", que mereceu a honra de ser publicado na edição especial comemorativa do 5.º centenário da passagem do Cabo da Boa Esperança (1488/1988), publicação da responsabilidade da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, e cuja capa aqui se reproduz.

No Museu da Figueira da Foz


Para a história da Figueira da Foz CCLXIV

Foi há 27 anos
 
Em 25 de abril de 1986, numa iniciativa da Sociedade Figueira Praia, com o apoio da Câmara Municipal da Figueira da Foz, da Região de Turismo do Centro e Coral David de Sousa, uma larga representação figueirense deslocou-se à cidade fronteiriça de Ciudad Rodrigo (Espanha), onde, durante um dia inesquecível, teve lugar uma confraternização que abarcou diversos temas culturais e recreativos.
O Coral David de Sousa, sob a regência de Duarte Gravato, com Cecília Romão, Isabel Mendes e José Manuel Belchior como solistas. e o Grupo Etnográfico do Coral David de Sousa, com o Grupo Académico Fados e Canções de Coimbra (cantor Jorge Cravo), cantaram e encantaram numa jornada que reviveu tempos em que a praia da Figueira da Foz era o local escolhido para veraneio das gentes daquela região.
Tive o prazer de, como jornalista convidado, ter estado presente neste convívio.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Casa da Figueira

 
O ex-libris da Casa do Concelho da Figueira da Foz em Lisboa, da autoria do artista figueirense, Francisco Simões.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Greve dos professores em dia de exames

Dia de luta(o) em Portugal
 
 
Os professores decidiram fazer greve em dia de exames nacionais em Portugal.
Estamos perante uma situação em que:
o (des)governo está dum lado, os professores estão doutro e os alunos e famílias, que não contribuiram minimamente para a situação, andam abandonados no meio da tempestade.
E maio de 69 já foi há 44 anos e o 25 de abril há 39...
Não sei se me faço entender...

Europeus de canoagem

Parabéns MONTEMOR !!!
 
 
Montemor-o-Velho há muito que ganhou a aposta!
O sonho da Figueira da Foz ter uma pista de remo pereceu, e nem o estuário do Mondego (outrora considerado como a Meca do remo em Portugal), nem a projetada pista na Lagoa da Vela, conseguiram triunfar nos seus propósitos e, deste modo, aqui tão perto, a escassos 20 quilómetros, Montemor-o-Velho virou capital dos desportos náuticos e este fim de semana, mais uma vez, esteve sob os projetores da fama, com a realização dos europeus de canoagem.
Montemor-o-Velho está de parabéns e, agora, os olhos postos nos campeonatos do mundo!!!

sábado, 15 de junho de 2013

Greve dos professores

A frase:

"Nós temos que ser contra para ser a favor da causa, e não porque somos contra a causa. Ser contra a greve, não é ser a favor do governo e, sim, ser contra o governo permitir que os professores façam greve."
 
Lucas Primo, in O BISTURI

sexta-feira, 14 de junho de 2013

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Em bom português...
 
 
Na Piscina da Figueira da Foz (anteriormente designada por Piscina-Praia e posteriormente por Piscina do Mar, na Avenida 25 de Abril).
Aqui está um aviso em bom português...
(20h30 de 13 de junho de 2013)
Claro que, por aquilo que tenho visto escrito por aí, incluindo mensagens online, esta imagem pouco ou nada diz, porque o analfabetismo "encapotado" é, infelizmente, uma realidade!!!
E não é preciso ir muito longe...
 

Fotografia

A imagem do dia

"Quem nasce torto..."
Serra da Boa Viagem - Figueira da Foz - Portugal

Humor...negro

Nas proximidades de Rio Maior.
Publicado no suplemento VIDA, de O Independente, em 1996

O pensamento do dia

Subserviência

Aos olhos de um homem que se sente formiga, uma lagartixa assemelha-se sempre a um jacaré.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Cinema na Figueira da Foz

Extensão do Festival
BLACK & WHITE
Sábado | 15 Junho | 16h30 |

Entrada livre

 

Com caraterísticas únicas a nível mundial, o festival internacional "Black & White" nasceu da necessidade de responder a uma crescente sensibilidade do público para a especificidade do preto e branco, abandonando o preconceito que relaciona esta estética com obras dos primórdios do cinema.

Além da aposta em filmes e fotografias a duas cores, o festival estimula igualmente a criação de ambientes sonoros que remetam para o "preto e branco".

Livros

Isabel Parreira e José Fanha
 
 
A escritora figueirense, Isabel Parreira, realizou ontem no Auditório Municipal da Figueira da Foz, duas sessões de apresentação do seu livro infantil “ Dom Polvo do Fundo do Mar”.
A obra, em edição bilingue (português e espanhol), ilustrada pelo jovem João Luís Marques (10 anos) e "aguarelada" pelo artista Carlos Santos Marques, "Dom Polvo do fundo do mar" é um livro dirigido aos mais pequenos, para ser lido e partilhado em família pois está adaptado às necessidades educativas de crianças entre os 3 e os 8 anos de idade.
Os alunos das Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico de Abadias, de Santa Luzia e da Casa Nossa Senhora do Rosário (Figueira da Foz), tiveram a oportunidade de conhecer a escritora e a sua obra.
Hoje foi a vez de José Fanha, escritor, poeta, divulgador de poesia, declamador, visitar a Figueira da Foz para estar com a comunidade escolar. De manhã, no Auditório Municipal, alunos da Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico de Quiaios, das Abadias, do 1º Jardim Escola João de Deus e do Jardim de Infância de Cova da Serpe, todas do concelho da Figueira da Foz, foram conhecer o escritor e o seu livro infantil “Orelhas Voadoras”.
Esta obra de 48 páginas, ilustradas por Fátima Afonso, fala da história de Francisco, um menino que sonha saber o que se diz do outro lado das portas. Para tal tenta tudo, até passar  porburacos de fechadura, implicando muita gente e dores. Por ter tanta curiosidade voam-lhe as orelhas trazendo para dentro da sua cabeça todos os sons do mundo: discursos, negócios de reis e presidentes, apitos, zumbidos, trovões, gargalhadas e alaridos de televisões... Um ruído infernal que o leva à descoberta dos sons pequeninos que moram perto e dentro de si.
Esta tarde José Fanha deslocou-se a algumas escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico do concelho onde se deu a conhecer, bem como as suas “Orelhas Voadoras”, um animado texto acerca do valor do silêncio e da aprendizagem da auscultação dos autênticos acordes da natureza, de forma a se perceber a diferença entre o ruído que prejudica e a sonoridade que nos fala de tudo o que nos rodeia.
 

Encontro de gerações na Figueira da Foz



Na passada sexta feira, 7 junho, o Núcleo Museológico do Mar (Buarcos - Figueira da Foz) promoveu, no âmbito do seu programa de atividades de serviço educativo, um encontro de gerações.
Cerca de 20 idosos do Lar de Buarcos da Cáritas Diocesana e 20 crianças do Jardim de Infância do Centro Paroquial de Buarcos confraternizaram, numa tarde animada, cheia de histórias para partilhar.
Decorreu ainda uma ação que proporcionou aos mais pequenos a aprendizagem de algumas das técnicas básicas de como fazer nós de marinheiro, os quais puderam depois levar consigo como recordação, transformados em interessantes porta-chaves.



Dia dos Oceanos



Na passada sexta feira, 7 junho,  o Núcleo Museológico do Mar (Buarcos - Figueira da Foz) promoveu, no âmbito da comemoração do Dia Mundial dos Oceanos, uma palestra educativa realizada pelo Prof. Fernando Mendes, à qual assistiram alunos do 8º ano da EB 2/3 Dr. Pedrosa Veríssimo, do Paião (Figueira da Foz).
A palestra abordou a temática dos oceanos, nomeadamente a sua proteção e foi também efetuada uma abordagem histórica às principais descobertas e viagens dos europeus, em particular dos portugueses, no período áureo das Descobertas.

O pensamento do dia


“As redes sociais profissionalizaram a imbecilidade”.

Tati Bernardi (Escritora e publicista brasileira)

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Otimismo!!!

Um mar de rosas
no Dia de Portugal
 
 
"São rosas, senhor..."
Nem faltou um fundo cor de rosa para o discurso otimista do presidente da República nas comemorações do Dia de Portugal.
Cavaco Silva colocou a tónica no mundo rural, respondendo aos que o criticaram pela sua política agrícola enquanto primeiro ministro.
Ouvindo o primeiro magistrado da nação, que salientou o facto de Portugal já ter passado por períodos mais difíceis, os menos atentos até são capazes de pensar que, afinal, Portugal vive  num mar de rosas...
E mais uma vez lá lhe ia escapando o termo "cidadões"... Até Camões, na tumba, se deve ter arrepiado!!!
 

domingo, 9 de junho de 2013

Sondagens

O EXPRESSSO constatou...


Sem comentários!!!

Devotos do Quim Barreiros

Confraria dos ... Quins!!!
 
Li algures que Quim Barreiros vai ser homenageado na Figueira da Foz por ocasião das Festas de Santo António.
Desconheço em que consiste o preito de homenagem mas não ficaria surpreendido se, na linha de gratidão dos figueirenses para com Amália Rodrigues e Zeca Afonso, o cantor Quim Barreiros também venha a fazer parte da toponímia local, na circunstância substituindo a designação do antigo Largo de Santo António, hoje Silva Soares.
Como dizia o outro, desde que vi um porco a andar de bicicleta, já acredito em tudo...

Dia do Senhor

Porque hoje é DOMINGO
 
 
Um bom domingo para todos

sábado, 8 de junho de 2013

Artes plásticas na Figueira

Cláudia Costa no CAE
 
 
"O sonho do snr. ministro"
 
Um dos quadros, da autoria de Cláudia Costa, expostos na sala Zé Penicheiro, no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, sob o tema O Improvável Recreio dos Ícones.

Política à portuguesa...

Alternâncias e … alternativas
 
É por demais vulgar ouvir dizer-se que o povo português não é estúpido.
Convenhamos, no entanto, que, na sua esmagadora maioria, se o não é disfarça muito bem.
Senão, vejamos:
O país tem atravessado uma situação humilhante, ultrajante mesmo, com muita gente a viver nas raias da miséria, vendo-se o desemprego a atingir números que ultrapassam previsões nunca antes imaginadas, etc, etc.
Navega-se num mar de greves, de manifestações de contestação constantes perante sucessivos governos a fazerem gato-sapato da população, manipulando-a a seu bel-prazer.
A crise, há muito instalada, deixou de ser conjuntural para se apresentar, na sua verdadeira dimensão, como radicalmente estrutural.
Os governantes vão, descaradamente, ao bolso dos portugueses e, depois, desfazem-se em elogios ao seu sacrifício, à sua colaboração, quando ninguém, por seu livre arbítrio, contribuiu, com um cêntimo, para o lavar a cara de quem provocou este lamentável estado de coisas, antes tem sido sistematicamente compelido a despojar-se do que tem e do que não tem.
Tudo isto a propósito de alternâncias e alternativas.
Então, se o povo não é estúpido, como se compreende que se sucedam, constantemente, as alternâncias de poder, com este mesmo povo, repito, na sua esmagadora maioria, a deslocar-se às urnas, em sufrágio, para depositar o seu voto sempre nos mesmos, escolhendo a governação ora no PSD ora no PS, com o CDS a aproveitar oportunidades para servir de serviçal muleta?
Num momento, o povo vai à rua pedir a demissão do governo liderado pelo Partido Socialista; a seguir, repete a dose a solicitar o contrário, exigindo a demissão do governo capitaneado pelo Partido Social Democrata... e assim sucessivamente, como o tem sido ao longo dos tempos nesta exemplar e original democracia à portuguesa.
Ou seja, perante governações ditas sádicas, a população comporta-se, no fundo, como fiel seguidora da linha masoquista.
Insisto. Se o povo não é estúpido, disfarça muito bem.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

A escola no Museu


"Com sorte ou azar,
a escada terás que passar!"

O Museu Municipal Santos Rocha (Figueira das Foz) recebeu, esta sexta-feira, a visita de 26 alunos do 3º ano de escolaridade da Escola do 1º CEB do Paião, acompanhados pela professora Teresa Teixeira.

Os alunos efetuaram uma visita orientada ao museu, com enfoque especial em peças específicas nas diferentes salas de exposição permanente e, no final, colocaram os seus conhecimentos à prova no jogo "Com sorte ou azar, a escada terás que passar!", que se realizou na sala de arqueologia.

Fotografia


Workshop de Fotografia

 


Inscrições abertas para novo workshop...

Aulas de Grupo
Formador | Alfredo Muñoz Oliveira
Duração | 24 horas (sessões 3h)
Equipamento necessário: Câmara digital

Programa: Introdução; Áreas na fotografia; Fotógrafos de referência; Tipos de câmaras; Como manusear uma câmara; Abertura e diafragma; Distância focal; Tempo de exposição; Sensor e sensibilidade; As objetivas; Exposição; Modos da câmara; Medição de luz; Focagem; Profundidade de campo; Distância hiperfocal; Focagem seletiva; Composição; Enquadramento, proporção e orientação; Ajuste de brancos; Histograma; RAW, JPEG e TIFF; Flash, Fotómetro; Acessórios; Edição de imagem (software); Aulas praticas.