domingo, 31 de dezembro de 2006

2 0 0 6 / 2 0 0 7



" P R E S E N T E



deseja a todos os seus visitantes uma excelente PASSAGEM DE ANO e UM
2 0 0 7 que satisfaça todos os seus desejos. Mas não abusem nos pedidos...



ANÍBAL JOSÉ DE MATOS

112 ANOS

GINÁSIO 1 1 2 ANOS
o
O Ginásio Clube Figueirense, fundado em 1 de Janeiro de 1895, completa, amanhã, 112 anos de existência.
Parabéns a esta colectividade, que tem contribuído para o desenvolvimento cultural e desportivo da Figueira da Foz, somando êxitos sobre êxitos ao nível regional, nacional e internacional.
AJM

O pensamento do dia

A pergunta "Como fazer amigos?" traz-me à lembrança uma passagem encantadora de um livro de Montherlant. Admirado por uma menina não ter dado um nome ao seu gato, alguém pergunta: "Mas como é que o chamas?" E a menina responde: "Não o chamo. Ele vem quando quer." Assim, também os amigos vêm muitas vezes até nós segundo a mais improvável das hipóteses.
Marguerite Yourcenar.

sábado, 30 de dezembro de 2006

Futebol

Naval empata em jogo-treino

A equipa figueirense, sob o comando de Mariano Barreto, não foi além de um empate a um golo, frente ao Sporting de Pombal, da 2.ª divisão B, no jogo-treino realizado esta manhã no relvado do Estádio Municipal José Bento Pessoa, perante uma assistência de meia centena de pessoas.
João Ribeiro, que alinhou a titular, abriu o activo para os locais, logo aos 12 minutos, mas Paulo Vaz, aos 36, estabeleceu o resultado final.
Os navalistas perderam soberanas ocasiões de alterar o marcador, com o guarda-redes Hélio a ser o principal obstáculo, com uma excelente actuação, mas a ocasião mais flagrante pertenceu aos visitantes, orientados por João Pereira, quando Nelson, aos 75 minutos, rematou aos ferros.
De início, a Naval apresentou uma equipa muito próxima da habitualmente utilizada, formada por Wilson Júnior, Mário Sérgio, Fernando, Paulão, China, Fajardo, Orestes, Gilmar, Saulo, Lito e João Ribeiro.
Logo ao fim da primeira meia hora, Mariano Barreto fez várias substituições, e, ao longo do treino, jogaram ainda João Cardoso, Carlitos, Pimenta, Gaúcho, Tony, Cazarine, Dudu, Éder Silva, Tiago Fraga e Vavá.
De fora, a braços com lesões, ficaram Nei e Solimar.

AJM (texto e foto)



O pensamento do dia

Não digas ao mundo o que és capaz de fazer: demonstra-o.

Ricardo Oda

sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

PRESENTE

" P R E S E N T E "

completa hoje sete meses.

A todos, obrigado.

Aníbal José de Matos

A Figueira no seu melhor...

Professor de português, precisa-se...

Meus caros amigos e, particularmente, membros da Junta de Freguesia de Tavarede.
O cartaz é bonito mas BENVINDOS é que não... É que basta consultar uma simples gramática, um prontuário ou um dicionário, para verem que o termo correcto é BEM-VINDOS. Aprendam que eu não posso durar sempre...

O pensamento do dia

O amor é a actividade dos ociosos e o ócio dos activos.

E. Bulwer-Lytton

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

A...s frase...s

«A modernidade, a competitividade, a produtividade e a qualificação são palavras mágicas no discurso económico. Mas a questão que se coloca é saber quais são as condições dadas às micro, pequenas e médias empresas para que possam corresponder a estas palavras mágicas."

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

Crónica de um figueirense


O desporto visto por um figueirense

Prof. Rui Matos, Licenciado e Mestre em Educação Física, numa das suas palestras



Formação de professores de Educação Física: que currículo?

A história da Educação Física não pode ser desligada da História da Humanidade. Uma das razões por que temos História da Educação Física é precisamente porque esta mudou juntamente com as grandes modificações que se verificaram através dos séculos.


Temos a perfeita noção de que os governos mundiais sempre viram a Educação Física e o desporto como úteis ferramentas para demonstrações de poder, como, por exemplo, os jogos disputados entre a ex-URSS e os EUA durante os chamados anos da "Guerra Fria"; mas se a superioridade no desporto era vista (ainda é?) como superioridade dos respectivos países, a Educação Física tinha a utilidade de preparar os cidadãos, futuros soldados, para a guerra; assim, não é de estranhar que os Currículos de formação de professores de Educação Física tenham tido (e em alguns países provavelmente ainda terão) uma forte componente militar.


Não teremos de recuar até ao Mundo Antigo e às Educações grega e romana para ver esta influência; em Portugal, por exemplo, foi durante a 2.ª Guerra Mundial, mais exactamente em 1940, que foi criado o INEF (Instituto Nacional de Educação Física), em Lisboa, ao mesmo tempo que era extinta a Escola de Educação Física do Exército...; sem surpresa, uma vez mais, a influência exercida por diversos ofiiciais do exército foi muito alta. Veja-se apenas o nome desta Disciplina, uma das que compuseram o 1.º Ciurrículo do INEF: "Organização Corporativa e Educação Especial Pré-Militar"...

Pugilismo, esgrima e saltar de uma plataforma de 10 metros de altura para um tanque com água eram algumas das Disciplinas e actividades que também faziam parte do Currículo inicial do INEF.

Em 1989 foi publicada uma lei (nº 286/89) instituindo os Programas Nacionais de Educação Física, isto é, o Currículo Nacional de Educação Física, do 1º ao 12º ano de Escolaridade, o qual afecta, por razões óbvias, o Currículo dos Programas de formação de professores de Educação Física.

Independentemente dos muitos aspectos positivos que têm, os Programas de Educação Física, apesar da propalada flexibilidade, têm limitado acentuadamente a criatividade dos professores e afunilado o leque de experiências pelas quais julgo ser útil os alunos passarem.

Atendendo ao facto de que um dos principais objectivos da Educação Física Escolar deveria ser (ou não?) motivar os alunos para, quando os estudos obrigatórios terminem, continuarem a sua prática de actividade física, por uma melhor saúde e qualidade de vida, estou muito precupado com este "paradigma dos desportos competitivos" que está a fazer com que muitos rapazes e ainda mais raparigas estejam a deixar de gostar daquela que costumava ser a sua Disciplina preferida. É que, como todos saberemos, Educação Física não é só desporto, assim como desporto não é só futebol! Para quando a ingtrodução, por exempllo, da aprendizagem de habilidades circenses (por exemplo, malabarismos) no Currículo de Educação Física, como o fazem a Bélgica e a Noruega?

Excerto e arranjo da Comunicação feita pelo autor, em Bruxelas, no decorrer de um Programa Intensivo de Formação de Professores de Educação Física na Europa).


O pensamento do dia

Um beijo atinge como um raio, o amor passa como uma tempestade.

Provérbio árabe.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Naval de regresso

Naval regressou, esta tarde, ao trabalho

Trabalho chega a todos... mas o que vale é que a baliza é minorca
Mariano Barreto pôe as mãos à cabeça. Preocupações? Ainda é cedo...


No primeiro treino após férias de Natal. E pergunto eu: aonde pára a bola?

AJM ( texto e fotos)


A frase

Miguel Frasquilho, deputado pelo PSD, sobre a mensagem de Natal de José Sócrates:

"Encaixa-se mais no domínio da fantasia do que no da realidade portuguesa".

O insólito

Não estacionar!!! Art.º 14.º do Código
Na Avenida do Brasil, na freguesia de Buarcos, na Figueira da Foz, o aviso nesta garagem é esclarecedor. Não estacionar! Com o murete de cimento à frente, só pode ser para não impedir a entrada e saída de ... aviões!

AJM (texto e foto)


O pensamento do dia

Quem cabritos vende e cabras não tem, dalgum lado lhes vem.

Provérbio popular

terça-feira, 26 de dezembro de 2006

Poesia

Contrastes dum Natal

Padecer à cadência infalível
Do galopar das ondas do porvir,
Navegar no mar do impossível,
Sonhar enseadas p'ra atingir.


Divisar auréolas coloridas
A romper das mãos duas criança,
E nao ver as veias doloridas
De seios ressequidos sem esperança.


O filho que perece e só deseja,
No entorpecer da fome que sobeja,
Fantasias delirantes da opulência.


Os que sofrem viver amargurado
Na desdita do fim antecipado,
No rasgar precoce da existência.


ANÍBAL JOSÉ DE MATOS, in "Conflitos", livro do autor publicado em 1992.

O pensamento do dia

Quando se é jovem a sério, é-se jovem para toda a vida.

Picasso

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

Natal


Loucura e bom senso


Laços que enfeitam e enlaçam,
Laços antigos, voltas modernas,
Risos precisos que brilham.
Olhares que a esperança desanuvia,
Nevoeiro acolhedor envolve a correria.
Brilham as montras, desafiam as luzes de sinal...
Em cada Natal decidimos ser bons, decidimos perdoar, decidimos dar.
Em cada Natal reconforta-nos a certeza de que alguém
nos amou o suficiente para gastar.
Damos presentes, somos presentes.
Damos atenção, ouvidos, oportunidade.
Lembramo-nos da história comum, fazemos promessas de verdade.
Sombras de morte rodeiam a nossa alegria.
Sabemos que nem todos têm paz, pão, solução.
Cada um, e à sua maneira, olha as trevas que o rodeiam e tenta responder.
É a época da boa vontade...
de nos aproximarmos de quem normalmente ignoramos de partilhar, de oferecer.
De sentir remorsos pela prosperidade...
Na maior noite do ano, iluminam-se as ruas numa busca de eternidade.


Maria Eduarda Castanheira (Pastora estagiária)

domingo, 24 de dezembro de 2006

Natal

Um Conto de Natal


Autor: Joaquim Sustelo




Lá no Céu,

Lá bem no cimo,
Um anjinho pequenino
Passava todos os dias
Olhando para as estrelas.
Eram tão lindas, tão belas,
Que ficava horas sem fim
Cheio de alegria por vê-las
Enfeitar tudo em redor…
(Não havia até melhor luz que se conhecesse…)
Que importava que estivesse

Ali, se era pequenino,
Se no Céu não se trabalha,
Nada se exige a um menino?
E ele era feliz assim…
Às vezes, anjos mais velhos,

Sempre vinham dar conselhos:
“Vai deitar-te!
Aí ao frio não podes permanecer!
Não fica bem a um menino
Estar assim tempos a fio
E das horas se esquecer!...”
Mas ele era um sonhador…

Pensava: “lá bem ao fundo,
Não haverá outro mundo,
Qualquer coisa de diferente
,Seja melhor ou pior,
Que um dia vá lá a gente?”
Que bom seria ir espreitar,

Com suas asas voar,
Tão depressa, tão ligeiro,
Para à noite regressar
Com sonhos de um dia inteiro…

Às vezes, Nosso Senhor,

Por alturas do Natal,
Passava por ele e ia
Voando assim tal e qual
Como ele idealizava.
Descia…e não demorava.
Aonde iria afinal?-
Indagava-se o anjinho.
E, à noite, ao ir deitar-se,
Pensava nisso sozinho.
Era a ânsia de saber
O que ninguém lhe dizia…
Ir também? Podia ser?
De certeza, não podia.
Seus pais não consentiriam
Uma saída do Céu!
E, pondo a ideia de parte,
Muito triste, adormeceu.

Mas como tudo o que existe
Tem seu quê de interessante,
Aquela noite tão triste
Seria a mais importante:
A Virgem tinha notado
E das trevas fez-se luz:
Pois vendo assim o anjinho,
Triste, pensando, sozinho,
Comunicara a Jesus.
E, ao menino, da janela,
Disse-lhe assim meigamente:-
“Voa até à maior estrela,
Verás que ficas contente”.


Dormia tudo em sossego.
A noite metia medo.
Mas ele, mudo e contente,
Teve de ir mesmo assim cedo.
E indo até à tal estrela,
Foi encontrar Jesus Cristo,
Ficando tão boquiaberto
(que agora estava desperto)
Ao observar tudo isto:
Sacos cheios…uma montanha!...
Com brinquedos, com comida,
Que coisa tão linda e estranha
Nunca vira em sua vida!
Eram centenas, milhares,
Com coisa tão variada,
Que ele ficou meio tonto
Sem conseguir dizer nada!

Disse-lhe então Jesus Cristo
Em tom sereno e profundo:-
“Vamos levar tudo isto a crianças de outro mundo.
vamos encher corações de alegria e de ternura;
Há outras ocasiões
Mas esta é a melhor altura,
Pois no Natal eles esperam
Sempre pela minha visita.
Quero então que vás comigo
E ver o que lá existe;
Deixarás de ficar triste
Que é uma viagem bonita.
Quanto aos teus pais, já lhes disse:
Ontem falei no assunto
Sem tu teres dado por isso.
-Partamos com alegria!
Esse monte aí ao lado,
Esse que está aí junto,
Agarra nele…e eu levo
Todos os outros comigo.
Comecemos a voar,
Verás que vais adorar,
Anda daí meu amigo!”
Não podia acreditar
O nosso anjinho, coitado!
Ir ver o que sempre quis?
Ser de repente feliz?
Estaria mesmo acordado?

Mas começou a viagem…
Jesus cantava baixinho…
O anjo, de tão contente,
Ia ouvindo, caladinho…
Lá foram por entre estrelas,
Planetas, sempre, sem fim,
E viram coisas tão belas
Que o anjo pensou assim:
-“Haverá alguém no Céu
ainda mais feliz do que eu?
Que vou aqui com Jesus,
Em fantástica descida,
Vou dar brinquedos, comida,
Vou a casas fazer luz
A gentes necessitadas?
De certeza que não há
Ninguém tão feliz assim!
Só quero que tudo isto
Não chegue depressa ao fim!...”
Nisto pensando, notou
Um planeta enorme à frente…
Com árvores, rios e mares,
Casas onde havia gente…
Jesus disse-lhe:-
“é a Terra,
é este o nosso destino.
Vai dar tudo o que aí levas!
Não deixes nenhum menino
Sem brinquedos ou comida!
Que eles não fiquem nas trevas!
Dá-lhes Luz, Amor e Vida!
Por outros lares diferentes
Fazer o mesmo irei eu.
Depois então voltaremos
De madrugada pró Céu.
Lá foram, para cada lado,
cumprir as suas missões…
O anjinho dava, contente,
do que tinha, àquela gente,
enchendo-lhe os corações
de alegria e de ternura…
Dando força a quem levava
uma vida assim tão dura…
E deu tudo até ao fim.
Esgotou tudo o que levava.
Mas tanta gente feliz
Numa noite ele deixava!
Já era quase manhã
E ia p’ró seu destino,
quando notou a chorar,
e, de frio, a tiritar,
muito infeliz, um menino.
O anjinho olhou para os sacos
E estava tudo vazio.
Mas como deixá-lo ali
Sem nada, a morrer de frio?
Teve uma ideia feliz:
Foi buscar uma estrelinha,
Desceu e deu-a ao menino
Para aquecer-lhe a casinha.
E ele ficou todo contente!...

Mas disse, preocupado:-
“Olha que no céu talvez
alguém tivesse notado…
-Leva-a daqui mas põe perto,
tão perto que ela me aqueça.
Pois se a pões onde me abrigo
ainda vão ralhar contigo,
não é coisa que se ofereça…
-Basta que fique baixinha
que eles vêem-na ali;
Aquece toda a casinha
E vou lembrar-me de ti”.
O anjinho concordou
E a seguir desapareceu…
Nunca mais ninguém o viu
Desde que voltou pró Céu.
Mas a tal estrela brilhante
Que veio dessa ideia sã,
Ainda hoje lá está sozinha
e das outras bem distante:

-É a ESTRELA DA MANHÃ.


O pensamento do dia

N a t a l
"Não tenhas medo, Maria, pois foste abençoada por Deus. Ficarás grávida e terás um filho, a quem vais pôr o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado o Filho de Deus altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono do seu antepassado David. Governará para sempre os descendentes de Jacob e o seu reinado não terá fim".
Lucas, I, 30:33

sábado, 23 de dezembro de 2006

Para a história da Figueira - LXXII

Folclore da Figueira da Foz


Rancho das Cantarinhas de Buarcos


Ranchos Populares

Nas noites mansas e suaves do dealbar de Junho, erguiam-se por travessas e ruas do Monte e Vale, as primeiras fogueiras em honra e louvor dos Santos casamenteiros.
Pedinchavam-se por tanoarias, carpintarias, obras de mestres pedreiros, quanta risca de plaina ou tábua velha se pudesse conseguir. E armava-se uma dança com estalidos de dedos e cantigas com trilos de rouxinóis.
A Figueira teve ranchos populares, como nenhuma terra do país.
Nem Coimbra, a terra das fogueiras e dos descantes ao luar, lhe levou a palma.
Havia por todo o Monte, Vale e Bairro Novo – ranchos de nomeada e renome em toda a banda – de lés-a-lés do país.
Eram as Camélias jeitosas do Vale, e a as Carvoreiras, do Largo do Carvão.


São tão bonitas as carvoeiras
São tão formosas as feiticeiras…


As Rosas, na rua do mesmo nome. A Chalupa, do José Carlos da Silva Pinto, o Trovador, na Rua dos Banhos, do João Simões “Padeiro” e o Vapor, o célebre Rancho do Vapor [o hino do rancho é hoje hino oficial da Figueira da Foz] – com seus figurantes fardados de oficiais de marinha, o Manuel Dias Soares (vulgo Manuel Rola, um fino temperamento de artista) a chefiá-lo e a enchê-lo de triunfo, numa visita a Lisboa que deu brado!
Ainda hoje [estávamos em 1945] as Cantarinhas de Buarcos, com seus potes enramalhetados à cabeça, o Rancho das Rosas e o das Flores de Portugal – garridas gentes moças cheias de viço de frescura, de airosa graça, rutilante donaire e alegre desembaraço – seguem a tradição gloriosa.

Maurício Pinto, in “Aspectos da Figueira da Foz

AJM

O pensamento do dia

É preciso agir como se a vida não tivesse fim, mas ter as malas feitas e tudo em ordem, pronto para partir de repente.

Claude Roy

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Para descontrair...

O psiquiatra para o doente:

"Sonha muito de noite?"
"Muito", responde o paciente.
"Com quê?"
"Com jogos de futebol; estou sempre a sonhar que sou guarda-redes"
"Mas nunca sonha com outras coisas? Por exemplo, nunca sonha com mulheres?"
"Deus me livre, doutor. Para me distrair com elas e engolir um frango?"

A frase

Na reunião da Assembleia Municipal da Figueira da Foz, Vítor Jorge, porta-voz da bancada socialista justificando o voto do partido contra o orçamento municipal: "por sanidade mental e moral, votamos contra".
Sinceramente, desconhecia, em absoluto, que Vítor Jorge era médico, para passar este atestado...
AJM

O pensamento do dia

Ao menos uma vez por dia deve-se ouvir uma pequena canção, ler um poema bem escrito, olhar para um belo quadro e, se possível, dizer algumas palavras sensatas.


Goethe

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

Bom Natal

Boas (são, sim senhor) Festas !!!

A todos os meus visitantes, um Santo e Feliz Natal.

E aqui vai uma foto para alegrar a rapaziada, e para variar...



AJM

Divagando

Ouvir o silêncio
"O silêncio tornou-se um vácuo que o homem moderno abomina. Já não é normal ou bom em si próprio; é apenas compreendido como uma ausência de ruído. Antes do ruído havia sons - distintos do ruído porque os sons emergem do silêncio. O silêncio foi o pano de fundo dos sons.
Os moradores da cidade acordam com ruído constante, tornam-se nervosos no campo porque os sons campestres (dos grilos, das aves e de outros animais) são produzidos contra o fundo de silêncio. No campo há também menos conversação, porque, para interromper osilêncio, a gente tem de ter alguma coisa para dizer.
Na cidade, as palavras fazem parte do ruído geral (pode-se dizer qualquer coisa para não deixar de falar), e o silêncio é sempre interpretado como grosseria. Parece haver um receio de que, se o ruído parar, a cidade sucumbirá no silêncio.
(...) Dizem-me muitas vezes que as pessoas ligam o rádio e a televisão porque estão sós. O ruído é utilizado como um tónico para a solidão, é uma droga acústica; mas a solidão é uma ânsia por alguma coisa que não devia ser afogada no ruído. Se a gente tranquilamente investiga a solidão, pode-se começar por perguntar por que razão se está só e para quê. A solidão permite-nos saber que realmente não estamos nada preparados para os nossos mais fundos desejos - nem dos nossos amigos, da nossa família - nem para os dos nossos bens terrenos ou prazeres.
Então, em que - ou em quem - vamos descobrir o objecto do nosso mais profundo desejo? Esta é talvez a pergunta mais importante que se pode fazer e que poderá ser respondida somente em silêncio."
(...) Se uma árvore cai na floresta, fará algum ruído se não houver ninguém para ouvi-lo?
Robert Reilly

O pensamento do dia

Ninguém jamais tem idade suficiente para parar de fazer tolices.

Holbrook Jackson

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Poesia

Hipocrisia


Gera-se a fome nos subúrbios,
Perece gente nas valetas,
A cadência imopressionante
Morre uma criança em cada dois segundos!


Diz-se que a paz está na hora
Mas a guerra prevalece.
No palco diz-se diálogo,
Nos bastidores armam-se homens!


Correm guerras de cem anos
Alimentadas por quem?
Joga-se a paz na fachada,
Forma-se a guerra na cave.


E diz-se paz que não há,
Mas sim guerras frias
E ao rubro!
Morrem crianças no Mundo
E a tranquilidade ainda assenta arraiais nos espíritos...


ANÍBAL JOSÉ DE MATOS

O pensamento do dia

Não é preciso ser-se artista para se pintar um sorriso num rosto triste.

Luís Tarazona Ortiz

terça-feira, 19 de dezembro de 2006

Ganhámos todos?

Revista Time elege «Você» personagem do ano 2006.
A revista norte-americana Time elegeu «Você» como a personagem do ano 2006. O sucessor de Bono e do casal Gates, um «anónimo», será homenageado na próxima edição da publicação.
O prémio visa distinguir todos aqueles que «fundaram e estruturaram a nova democracia digital, que trabalham a troco de nada e que ganham aos profissionais no seu próprio jogo».
A revista justifica a decisão no exponencial crescimento e influência dos conteúdos online publicados pelos cibernautas em blogs ou sites como o YouTube e MySpace.
Segundo a Time, em comunicado, esta nomeação visa distinguir «você» e todos aqueles que estão a transformar a era da informação.
O anónimo vencedor impôs-se a candidatos como os presidentes do Irão, China e Coreia do Norte, bem como a James Baker, ex-secretário de Estado dos EUA e presidente do Grupo de Estudo sobre o Iraque.
A revista elege desde 1927 «a pessoa ou pessoas que mais influenciaram as notícias e as nossas vidas, para o bem ou para o mal».
Os últimos, além do vocalista dos U2 e Bill e Melinda Gates, foram o presidente dos EUA, George W. Bush, em 2004, e o «soldado norte-americano», em 2003.
Entre os distinguidos mais polémicos encontram-se Adolf Hitler, em 1938, e o ayatolah Komeini, em 1979.
In Diário Digital
Será que estamos todos de parabéns?

Grande descoberta

Segundo o "Público", Cavaco Silva admite existir "um certo atraso" no processo Casa Pia.


Mas que grande novidade!!!

O pensamento do dia

A única professora com resultados verdadeiramente positivos é a vida.

Gabriel Laub

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Privatização do CAE (Figueira da Foz)

Faltam hotéis
No entender de Duarte Silva, o sector privado só terá interesse em avançar para o CAE quando a cidade tiver mais capacidade hoteleira. “Não tem interesse organizar grandes congressos sem a garantia de se poder alojar devidamente os seus participantes. Neste momento, lamentavelmente, devido a todos os atrasos a que vimos assistindo, a cidade ainda não tem essa capacidade”.
In "As Beiras"
Que grande novidade. Duarte Silva descobriu apólvora...

Para a história da Figueira - LXXI

Viagem no tempo

Como já tive oportunidade de o afirmar, a Figueira da Foz tem uma longa história para contar nos mais diversificados vectores.
Simples pormenores levam-nos a viajar no tempo e constatar diferenças e evoluções, componentes para que se historie o passado nos mais variados e vulgares aspectos.
Hoje, trago novamente ao blog, um típico anúncio, publicado no Anuário Figueirense de 1918, coordenado por João de Oliveira Coelho.
Constata-se a simplicidade e diversidade de ofertas no comércio figueirense de então, vão decorridos 88 anos. Estava-se no final do primeiro grande conflito mundial.
AJM

A frase

"Não há dúvidas sobre a minha competência. Estou-me nas tintas para o que pensam e para o que dizem."
José Mourinho, in ÚNICA.

O pensamento do dia

Na minha opinião, sentarmo-nos à espera de que o destino decida as nossas vidas, sem tentar influenciá-las, não é o que se espera do homem.

John Glenn

domingo, 17 de dezembro de 2006

Futebol

Naval, vitória após sete jogos sem ganhar!!!

Casa a abarrotar. Bancadas cheias de ... cadeiras. Também foi por causa da TV?
Defesa de joelhos e guarda-redes a dizer: "Mas o que é isto?"



Na despedida de Mira como técnico principal, este mereceu o aplauso de Aprígio


Taborda numa intervenção apertada


Ena tantos!!! Deve ter sido um grande acidente...

Finalmente, e após um jejum de sete jogos, a Naval voltou, esta tarde, às vitórias, na despedida de Fernando Mira como técnico principal. Ao intervalo os figueirenses perdiam por 0-1 (golo de Paulo César aos três minutos), após uma primeira parte apagada.

No segundo tempo, os navalistas inverteram o figurino, jogando muito mais próximos do que sabem, e Lito (74 m.) e Orestes (78 m.), selaram uma vitória preciosa que coloca a equipa da casa a coberto de surpresas, no que respeita à pretendida manutenção.

De salientar que todos os golos tiveram assinatura estrangeira: pela União Leiria, marcou um brasileiro e pela Naval, os tentos foram subscritos por um cabo-verdiano e um brasileiro.

ANÍBAL JOSÉ DE MATOS (texto e fotos)

O pensamento do dia

Se quer ser interessante, seja interessado; se quer agradar, seja agradável; se quer ser amado, seja amável; se quer ser ajudado, ajude.

William Arthur Ward

É assim a vida dum treinador...

Cajuda despedido
A vida não está a correr muito bem para Manuel Cajuda, o treinador que iniciou, na Naval, a época em que o emblema figueirense se estreou na primeira Liga (a foto mostra o sorriso com que abraçou o projecto navalista), sendo então despedido para dar lugar a Álvaro Magalhães.
Agora, foi a vez do Zamalek, do Egipto, correr com o ex-técnico navalista, de acordo com "Mais Futebol", e na sequência da derrota de sexta-feira frente ao Al Masry (0-2). O técnico português assumiu o comando da equipa, cinco vezes campeã nacional, em Janeiro, mas o seu nome não recolhia unanimidade entre os dirigentes do clube, pode ler-se naquele "site".

sábado, 16 de dezembro de 2006

A frase

A nomeação de Maria José Morgado para coordenar o processo Apito Dourado não é só uma excelente notícia, mas a melhor notícia para o nosso futebol desde o Mundial.
Alexandre Pais (director do Record)

Arte

O Natal está à porta

Quadro de Mário Silva, pintor conimbricense com laços muito fortes à Figueira da Foz. Da minha colecção. Uma oferta do artista.

NATAL, NATAL, QUEM ME DERA


Natal, Natal! Quem me dera
Que não fosse vâ quimera
Não viver santa alegria
No ano somente um dia!

Mas que houvesse eternamente
Um Natal em toda a gente.

Natal, Natal, quem me dera!


Aníbal José de Matos, do livro do autor: "Conflitos"

O pensamento do dia

Em ocasiões de grande perigo, estamos autorizados a acompanhar o Diabo... até termos atravessado a ponte.

Provérbio búlgaro

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006

Geografia aplicada

Afinal, a Figueira não está no mapa...
Hoje, à tarde, um amigo meu telefonou para a TV Cabo, queixando-se de que tinha deixado de receber sinal da SportTV.
Depois de várias instruções, sem sucesso, a operadora perguntou ao meu amigo: "A Figueira da Foz pertence ao Porto ou a Mirandela?"
Não vale a pena referir o que se passou a seguir.

A...s frase...s

“Há jogadores que têm que entender que não podem andar aqui a banhos a vida inteira. Têm que ir a banhos para outro lado”.

Aprígio Santos, presidente da Naval, a propósito da eventual dispensa de jogadores no próximo mês, seguindo, assim, o mesmo caminho de Leo Guerra que foi casar-se ao Brasil e já não vai regressar.

Para a história da Figueira - LXX

Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz

Este foi o primeiro corpo activo da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz
A Associação, criada em 19 de Dezembro de 1882, foi fundada por Custódio Braz de Lemos, Manuel Ramos de Oliveira, João Maria Rocha Júnior, José Afonso da Rocha e Silva Júnior, João Maria Viana, Júlio Braz de Lemos, Custódio dos Santos, José Maria Lopes de Oliveira, João Joaquim Pereira, António Augusto Maia, Joaquim Rodrgiues de Carvalho e Ernesto Fernandes Tomaz.
Estes, até 20 de Setembro de 1883, dirigiram a Associação em termos de comissão instaladora, data em que tomou posse a primeira direcção, presidida pelo Conde de Tavarede.
Voltarei ao assunto.
AJM

O pensamento do dia

Sobre a chegada duma carta de amor:

"A primeira olhadela para ver quantas páginas tem, a segunda para ver como acaba, a primeira leitura ofegante, a lenta demora sobre cada frase e, finalmente, a escolha daquela que permanecerá no seu pensamento todo o dia, fazendo um delicado acompanhamento da monótoma vulgaridade da vida".

Edith Wharton

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

A frase

"Temos de trabalhar mais para alcançar o patamar da regularidade".
Sérgio Salvador, treinador do Ginásio Clube Figueirense, no final do jogo de basquetebol com a Ovarense, em que os figueirenses voltaram a perder e passaram a ocupar o lugar de "lanterna vermelha no campeonato da Liga Profissional".

Construções na areia

"O mar também tem amantes"

Esta foto, que retrata construções na areia da autoria do artista algarvio Costa Júnior, foi publicada na revista "MUNDO GRÁFICO", no seu n.º 18, de 30 de Junho de 1941.
O autor deu à exposição o título de "O mar também tem amantes".
Estávamos em plena 2.ª grande guerra mundial: 1939-1945.
Artur Portela, e3ra o director desta revista, de periodicidade quinzenal, e o preço de capa era de 1$50!

O pensamento do dia

Desligue a televisão e ligue a vida!

Bernardo Lazo Langner

A frase

Ministro da Justiça, Alberto Costa, na apresentação da proposta de lei sobre corrupção desportiva, "Esta visa criar um novo regime de responsabilidade penal por comportamentos susceptíveis de afectar a verdade, a lealdade e a correcção da competição e do seu resultado na actividade desportiva”.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

Poesia

Mote:

As mães que tudo sofreram
P'lo seu herói marinheiro
Quantas vidas se perderam...
Na rota do mundo inteiro!...


Heróis e mártires

Longos caminhos corridos,
Longas distâncias vencidas,
E tantos lances perdidos
Com a perda de tantas vidas!
Lutas constantes no mar
E tantos filhos morreram!
Enquanto em terra a chorar
AS MÃES QUE TUDO SOFRERAM.


Ondas revoltas tamanhas
Testemunham aventuras
Qual rosário de façanhas
Num galopar de amarguras.
E as mulheres da minha aldeia
Como que num cativeiro,
Choram à luz da candeia
P'LO SEU HERÓI MARINHEIRO.


E na epopeia do mar
Em que fomos pioneiros,
Que escolhos p'ra atravessar
Tão densos e altaneiros!
P'ra conquistar novos mundos
Quantas guerras se venceram,
E nesses mares tão profundos
QUANTAS VIDAS SE PERDERAM...


Heróis, mártires, tantas vezes
Em pelejas consagrados.
Punhados de portugueses
P'lo mar intenso reagados!
Cruzadas tendo somente
Esse mar por companheiro,
Ficaram eternamente
NA ROTA DO MUNDO INTEIRO!...


Aníbal José de Matos (1992)

O pensamento do dia

Quando um sujeito decidido avança para enfrentar esse valentão chamado mundo e o segura audaciosamente pelas barbas, muitas vezes surpreende-se ao ver que elas lhe ficam nas mãos; é que elas só estavam ali coladas para afugentar os aventureiros tímidos.

Oliver Wendell Holmes

Naval tem novo treinador

Mariano Barreto já é treinador da Naval

Esta manhã, Mariano Barreto, acompanhado do adjunto Fernando Mira, entra, pela primeira vez, no relvado do Bento Pessoa


Mariano Barreto afirma ter ambições


Mariano Barreto já é treinador da Naval.
O ex-técnico do Marítimo e do Dínamo de Moscovo, que traz consigo o adjunto Luís Guilherme, assinou, esta manhã, um contrato que o vincula ao emblema figueirense até ao fim da próxima época, e já pisou o relvado do Bento Pessoa, observando os seus novos pupilos.
“Há três semanas tinha sido contactado para saber da minha disponibilidade em vir para a Naval, apesar de ainda estar ligado ao Dínamo, e há três dias voltaram a falar comigo, perguntando-me quando é que vinha porque a Naval estava à minha espera”.
O novo treinador afirma que “a ambição é a minha meta, o que partilho desde os meus primeiros tempos de futebol. Quem não tem vontade de vencer não encontra muito espaço”, prosseguindo: “Queremos construir uma equipa que mantenha essa ambição de cada dia ultrapassar as dificuldades e tentar ser melhor, e, obviamente, tentar projectar a Naval num patamar que seja diferente de apenas todos os anos jogar para não descer de divisão”.
Para o presidente, Aprígio Santos, “nunca houve outro treinador na minha mente que não fosse o Mariano Barreto”.


ANÍBAL JOSÉ DE MATOS


terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Pinto da Costa e Carolina

A propósito do livro "Eu, Carolina", em que a ex-companheira de Pinto da Costa atira acusações sobre acusações ao presidente do FC Porto



"Espera-se que a justiça não se atrase e não se engane. E que descubra, julgue e puna responsáveis. Nem que tenha, no extremo, de julgar e punir, se esse for o caso, quem, irresponsavelmente, lançou acusações e delas depois se desviou, dizendo que não escreveu o que escreveu, que não disse o que disse, que não tem provas ou que nem sequer conhece quem as tem. O livro de Carolina, odioso pela intenção com que foi escrito, desprezível pela forma como a autora se aproveitou de todas as vulnerabilidades de um confiado amor, pode ter, afinal, como mérito único o de acelarar uma investigação que muitos acham que tem tido apenas duas velocidades – parada ou a andar para trás."

David Borges - Jornalista, in-SPORTUGAL

Poesia

Ser Poeta


Ser poeta é ser pessoa!
É sentir lá bem no fundo
Que por muito que nos doa
Há que ter fé neste mundo...


É ver a Terra ao contrário,
É cantar outras visões,
É pintarmos um cenário
Com a cor das ilusões...


AJM

O pensamento do dia

Os espertos perguntam quando não sabem ... e, às vezes, quando sabem.

Malcolm S. Forbes

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Para a história da Figueira - LXIX

Ninguém como tu Figueira

Em Julho de 1968, realizou-se, na Figueira da Foz, o VIII Festival da Canção Portuguesa, mais uma organização que se perdeu na bruma dos tempos.
No estilo popular, triunfou a canção "Donzela Esquecida", com música de Vítor Marques Dinis e letra de António Leitão, interpretada por Suzy Paula. O prémio foi de 6 mil escudos!
No estilo livre, também com um prémio de igual quantia, venceu a canção "Olhos de Veludo", com música de Ferrer Trindade e letra de António José, sendo seu intérprete Artur Garcia.
Ainda no estilo popular, uma menção honrosa foi para uma canção dedicada à Figueira da Foz, com o título "Ninguém como tu Figueira", com letra de Rocha Oliveira e música de Mário Gonçalves Teixeira. Foi intérprete Clara Sacramento.

Não há outra terra igual
Assim junto à beira-mar
E o Mondego vem de longe
P'ra te ver e te falar
Ninguém como tu Figueira
Tem um ar assim risonho
Ficas em nossa lembrança
A perdurar como um sonho


Eu sei que não há ninguém
Que saudades não vá ter
Depois de passar aqui
Tem que voltar p'ra te ver
Também o sol teu amigo
Nunca falta com seu manto
Torna oiro a branca areia
Faz da Figueira um encanto


E da serra até Buarcos
Vive gente boa do seu labor
Quando há um barco
Que sai a barra
Há sempre um adeus
Para o seu amor


Figueira
Tua praia
Também não tem igual
Para nós és rainha
das praias de Portugal

O pensamento do dia

Casa onde não haja uma poltrona velha e confortável é um lar sem alma.

Mary Sarton

Naval de parabéns





Naval impõe empate ao Benfica

Fernando Mira está de parabéns! Montando uma estrutura e uma estratégia inteligentes, com a equipa a demonstrar coesão e uma entrega a todos os títulos louvável, conseguiu, esta noite, no "Bento Pessoa", anular todas as investidas dos pupilos de Fernando Santos e o "onze" navalista teve, também, soberanas oportunidades de chegar ao golo.

O empate foi o corolário justo duma partida que tão tendo sido famosa do ponto de vista técnico (sobretudo na primeira parte), foi bastante disputada num relvado impraticável.

Deste modo, saldam-se por três empates todos os jogos oficiais disputados entre os figueirenses e os homens da Luz.

domingo, 10 de dezembro de 2006

Foto

Da minha varanda

Foi mesmo há bocadinho. Da minha varanda, o Pôr-do-Sol por uma fresta.
AJM

E na banca em Portugal, sabem como é?

Muhammad Yunus, Prémio Nobel da Paz
Nobel da Paz 2006 entregue em Oslo ao “banqueiro dos pobres”

"O prémio Nobel da Paz 2006 foi hoje oficialmente entregue em Oslo a Muhammad Yunus, do Bangladesh, já considerado “o banqueiro dos pobres”, e ao seu Grameen Bank, especializado no microcrédito.
Representando o Grameen Bank que a ajudou a sair da miséria, Mosammat Taslima Begum recebeu juntamente com Yunus o prestigioso prémio das mãos do presidente do Comité Nobel, Ole Danbolt Mjoes, em presença da família real norueguesa e de várias celebridades, entre elas a actriz norte-americana Sharon Stone.“Com este prémio da Paz, o Comité Nobel norueguês quer este ano chamar a atenção para o diálogo com o mundo muçulmano, para a situação das mulheres (principais beneficiárias do microcrédito) e para a luta contra a pobreza”, explicou Mjoes.
Chocado com os efeitos da fome no seu país e pela recusa das instituições bancárias tradicionais em conceder crédito aos mais desfavorecidos, Yunus, um economista que hoje tem 66 anos, fundou em 1983 o Grameen Bank.
Desde então, vários milhões de pessoas por todo o mundo conseguiram sair da pobreza extrema graças a créditos de cem dólares (75,7 euros), em média, acordados sem garantia, que lhes permitiram comprar ferramentas, gado ou telemóveis para lançar o seu pequeno negócio.
Actualmente membro do conselho de administração do Grameen Bank, Mosammat Taslima Begum conseguiu sair da pobreza depois de ter recebido um crédito de 20 dólares (15 euros) que lhe permitiu comprar uma cabra. “Os meus pais deram-me o nascimento, mas o Grameen Bank deu-me a vida”, afirmou.
O Nobel consiste num diploma, numa medalha de ouro e num cheque de cerca de 1,1 milhão de euros que, garantiu Yunus, serão utilizados para uma boa causa"

Texto de "Público", foto de VG,on-line (Noruega)

E eu pergunto: Vocês sabem como os bancos funcionam em Portugal? Até para abrir uma simples conta é uma complicação dos diabos. Vejam bem a documentação que lhes é exigida!!! Uma coisa é certa: ainda há gente boa neste mundo!


A frase

A melhor actriz da Europa

Penélope Cruz, à revista espanhola "Semana", a propósito do filme VOLVER e do seu realizador, Pedro Almodôvar:
"Sou muito fan do trabalho de Pedro [Almodôvar], mas não há nenhuma dúvida de que estamos ante uma das melhores películas da história do cinema [Volver]"

Um grande na Figueira




Naval - Benfica, esta noite na Figueira da Foz

Para as 19h15 de hoje está marcado um jogo da principal Liga do futebol nacional, defrontando-se a Naval e o Sport Lisboa e Benfica. Partida aguardada com alguma expectativa, em que os navalistas pretendem interromper uma série de resultados menos positivos, e o Benfica quer prosseguir na luta pelo título.

Recorde-se que nos dois jogos já realizados entre ambos, os figueirenses nunca perderam (nem ganharam), tendo-se registado, pois, duas igualdades, uma delas na Luz.

A coincidir com este desafio, deverá ser inaugurado o marcador electrónico no Estádio Municipal José Bento Pessoa.

O pensamento do dia

Brincar é muitas vezes encarado como uma fuga a uma aprendizagem séria. Mas, para as crianças, brincar é que é a verdadeira aprendizagem. Brincar é, afinal, o trabalho da infância.

Fred Rogers

O meu aplauso

Parabéns pela atitude!!!


O técnico português ao serviço do Chelsea, teve que recorrer ao Hospital em consequência de uma forte dor de cabeça, mas, segundo ele próprio, "já estou fino". Ainda bem.
Segundo li, "o treinador do clube londrino também é, agora, patrono de uma instituição inglesa que ajuda crianças com cancro: «Fui convidado, dou a cara, mas o Chelsea também participa bastante, permitindo que as crianças e os pais venham até Londres para os tratamentos e fiquem alojados no hotel do clube.»".
Uma atitude que dignifica José Mourinho.

sábado, 9 de dezembro de 2006

Para a história da Figueira - LXVIII

Folclore figueirense

Na imagem, que serviu para ilustrar um calendário de bolso para o ano de 1986, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Maiorca (Figueira da Foz), aquando da sua participação na Europeade, em Turim (Itália).
O calendário foi editado pelo próprio Rancho Folclórico.

O pensamento do dia

Não tenho veleidades românticas em relação à idade; as pessoas ou são interessantes em qualquer idade, ou nunca o são. Não existe nada de particularmente cativante em ser-se velho ou jovem. Tanto faz.
Katharine Hepburn (actriz)

sexta-feira, 8 de dezembro de 2006

Pais e ... pais

Dois bebés em clausura!!!
20 horas. Estou numa grande superfície comercial na Figueira da Foz.
No parque de estacionamento, um automóvel e, lá dentro, dois bebés de poucos meses.
Começam a juntar-se várias pessoas a assistir, impressionadas, à situação.
Cerca de uma hora depois (uma hora!!!), chega um casal de estrangeiros (pareceram-me chineses), presumivelmente os pais das crianças, que entram para o automóvel.
E pronto. Não tenho mais nada a dizer. E chega, não acham?
AJM

Basquetebol

Ginásio regressa às vitórias

Sérgio Salvador era um treinador feliz no final do Ginásio-Benfica
José Costa deu um excelente contributo para que o Ginásio levasse de vencida o terceiro classificado
O Ginásio Clube Figueirense regressou às vitórias, triunfando por 82-74 sobre o Sport Lisboa e Benfica, e colou-se ao 5.º classificado, com 3 vitórias e seis derrotas.
Os figueirenses chegaram a usufruir duma vantagem de 22 pontos, mas no período final, os lisboetas aproximaram-se perigosamente do marcador.
Por períodos, registaram-se as seguintes pontuações: 21-19, 28-12, 18-16 e 15-27.
Ricky Woods destacou-se com 25 pontos 10 ressaltos, Jesse Smith também esteve em evidência com 20 pontos e 10 ressaltos e José Costa teve, igualmente, papel influente, com 14 pontos e 8 assistências.
O jogo disputou-se esta tarde no Pavilhão Jorge Galamba Marque, na Figueira da Foz.
AJM

A frase

"Estou mais preocupado com a segurança dos peões e dos automobilistas do que com o aumento da velocidade, não obstante ter em conta as aspirações dalguns munícipes"
Lídio Lopes (a propósito do pretendido aumento de velocidade de 50 para 70 km para rodovias urbanas.
Este, um discurso politicamente correcto, ou seja, quero uma coisa mas também concordo com a outra... E vice-versa...
AJM

Para a história do desporto figueirense

Lembram-se deles?

Esta é uma das equipas que, ao longo dos tempos, representaram a Naval 1.º de Maio. Na verdade, possuo esta foto, mas não posso, de momento, precisar a data em que foi colhida. Também não consigo reconhecer todos os atletas na imagem, mas alguns deles são, por demais, conhecidos.
O primeiro, no segundo plano, à esquerda, é um guarda-redes que fez furor na Naval e no Benfica. É Pinto Machado (quando jogava na Naval era Henrique Pinto...), à direita, ainda no segundo plano, uma figura incontornável do desporto figueirense: Tó Pinto.
Antóno Maria, Campos, Pessoa e outros, são outros dos elementos que fazem parte desta foto.
AJM

O pensamento do dia

Se Deus se deu ao trabalho de criar uma pessoa, é porque ela deve ter alguma utilidade.

Provérbio chinês

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Nascer na Figueira!

Afinal ainda se nasce na Figueira...
Bebé nasceu nas urgências
Depois do encerramento do Bloco de Partos do Hospital da Figueira da Foz, no final de Outubro, o primeiro caso “rocambolesco” com o nascimento de um bebé aconteceu na noite de ontem, com a parturiente a dar à luz nas Urgências da Figueira.
A situação já era esperada desde o dia em que encerrou o Bloco de Partos da Maternidade do HDFF, mas o caricato do que aconteceu ontem é que talvez não fosse esperado. Uma senhora em final de gestação e perante a situação recorreu à Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, para ter o bebé, mas cerca das 22h30 teve alta e foi mandada para casa.
Feita a viagem de regresso à Figueira da Foz, meia hora depois de ter chegado a casa, a parturiente sentiu que estava a chegar o momento e entrou em trabalho de parto, pelo que foi necessário recorrer às urgências do Hospital Distrital da Figueira da Foz onde, às 00h30 nasceu um bebé do sexo masculino. A parturiente foi assistida por uma enfermeira obstetra especializada e por médicos de clínica geral, tendo corrido tudo da melhor forma.
A directora clínica do HDFF, Teresa Monteiro disse ontem ao nosso Jornal que «tudo correu perfeitamente» e dentro da «normalidade da urgência». A médica explicou-nos que por vezes estas coisas acontecem «quando os partos se desencadeiam rapidamente, que foi o caso». Concluído o parto com «um recém-nascido saudável» e a mãe a sentir-se bem, foi accionado o INEM Pediátrico (uma ambulância especializada) que veio propositadamente de Coimbra à Figueira da Foz e transportou a senhora e o bebé para a Maternidade Bissaya Barreto. Teresa Monteiro disse-nos que este foi o primeiro caso e que agora vai «esclarecer junto da tutela a questão dos transportes» para salvaguardar situações semelhantes no futuro.
In AS BEIRAS
Vocês acham que isto merece comentários? Uma coisa é certa, afinal ainda se nasce na Figueira...

Arte

Pôr-do-Sol na Figueira


Foto, da autoria do conhecido artista figueirense Luís Brandão, que, em 1990, figurou num calendário editado pela tipografia Impressora Económica, Ld.ª, e que nos mostra um pôr-de-Sol no horizonte da Praia da Claridade

Para a história da Figueira - LXVII

Um ofício com 76 anos!!!

Respeitei religiosamente a ortografia e ocultei, propositadamente, o nome do agente da PSP da Figueira da Foz que dirigiu este ofício ao Administrador do Concelho, título que precedeu o de presidente da Câmara Municipal.
O ofício faz parte da minha colecção particular, e foi escrito em 2 de Julho de 1930, e reza assim:

"Policia de Segurança Publica de Coimbra
Posto na Figueira da Foz

Exmº Snor. Administrador do Concelho

Para fins de justiça informo V.Ex.ª, que ontem cerca das 23 1/2 horas, quando me encontrava de serviço na Rua Bernardo Lopes, se me dirigiu Manuel Maireles, casado, sapateiro, morador na estrada Souto Maior, e sua mulher, a queixarem-se de que Manuel Morgado, casado, e morador no mesmo local e no mesmo prédio, que os esperava para os agredir e porisso pedião a minha intrevenção.
Acompanheios a casa que e habitada pelo queixoso e pelo arguido, e no ato em que tirava apontamentos para informar a V.Ex.ª, o sr. Morgado, de uma janela provocome com tantas palavras ofensivas que o não capturei por a lêi não primitir viular a casa do sidadão. Porisso pesso a V.Ex.ª as devidas providencias para que taes casos se não repitam.
Figueira da Foz 2 de Julho de 1930.
O guarda n.º .....
........................................."
E já agora, o despacho do Administrador do Concelho: "Arquive-se. Em 12.7.30".
Tem piada, não tem?

AJM

O pensamento do dia

Prefiro o sonho à ilusão: no sonho sabemos que os olhos estão fechados; na ilusão julgamos tê-los abertos.

José M. M. Tavares

quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Para que nem tudo seja mau...

A pedra e o Mar

Para que nem tudo seja mau, a Natureza responde aos atentados dos humanos. No mesmo local, em frente à chaminé da antiga fábrica de cimento do Cabo Mondego, a pedra e o mar oferecem-nos este espectáculo único.

AJM (tecto e foto)


LIXO

Lixo só no Verão se limpa!!!


É isto que eu considero uma vergonha. Até parece que ninguém visita a Figueira fora do período de Verão. Em frente à chaminé da antiga fábrica de cimento do Cabo Mondego, este é o aspecto da praia. Mais palavras para quê?
AJM (texto e foto)

Para descontrair...

Um homem com um segredo importuno, não conseguindo mais guardá-lo, foi até ao confessionário e admitiu que, durante anos, vinha roubando material de construção do depósito de madeiras onde trabalhava.
"Mas o que foi que você tirou de lá?", perguntou o padre.
"O bastantente para construir uma casa para mim, outra para meus filhos... e casas para as minhas duas filhas... e uma casa de campo para nós, no lago.
"O caso é muito sério!" reprovou o confessor. "Vou ter de pensar numa penitência das boas. Você já fez alguma vez um retiro?"
"Não fiz, não, mas se o senhor padre arranjar o projecto, madeira tenho eu..."
Les Schultz

O pensamento do dia

Nada no mundo atrai mais do que a capacidade que uma criança tem de cativar. Elas não se impõem, não provocam medo. São ternas e doces, possuindo um charme espontâneo e uma afeição confiante pelas pessoas.

Santo António de Lisboa

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

A não votação do orçamento



A propósito de Paulo Pereira Coelho
Já depois de "prantado" o post anterior, e a propósito de Paulo Pereira Coelho (PSD), não ter votado o orçamento camarário, lembrei-me de perguntar a mim próprio:
Afinal, qual foi a intenção do vereador? Disse não concordar com o orçamento, alegando, segundo o "Público" que este não responde "às dificuldades financeiras" que a autarquia enfrenta nem à "necessidade premente" de se reduzir a despesa corrente do município e, depois, na hora da verdade, fugiu à responsabilidade de tomar uma posição que não fosse a de NIN
Foi mais fácil fugir?
Sinceramente, estes políticos...
AJM
Nota: O "boneco", embora remendado, foi sacado da "Confraria das Bifanas".