quinta-feira, 3 de julho de 2014

Joaquim Namorado

Uma homenagem justa
na Biblioteca figueirense
 
 
Foi inaugurada ao final da tarde da passada 2ª feira, 30 de junho, na Biblioteca Municipal da Figueira da Foz, a mostra bibliográfica comemorativa do centenário de nascimento do poeta, professor e democrata Joaquim Namorado (1914-1986).
Perante uma audiência interessada e participativa, António Augusto Menano, natural de Coimbra e radicado na Figueira, escritor e amigo de longa data do homenageado, evocou a personalidade “íntegra e generosa” de Joaquim Namorado. O poeta (foi um dos iniciadores do movimento neo-realista coimbrão, colaborou nas revistas “Seara Nova”, “Sol Nascente”, Vértice”, entre outras) e o professor (durante dezenas de anos dedicou-se ao professorado no ensino particular, já que o ensino oficial, durante a ditadura, lhe esteve vedado).
 Para lá do poeta e do professor, o homem. O homem que, como foi também recordado pela filha, Maria Teresa Namorado, “gostava da Figueira como da sua terra” – e o homem que nunca abdicou da luta por um ideal de solidariedade e justiça social.
 A mostra, patente na Biblioteca Municipal durante o mês de julho, reúne uma pequena parte do vasto acervo documental relativo a Joaquim Namorado de que esta instituição dispõe, entre livros, revistas, jornais, imagens – e que é complementada pela biblioteca pessoal do poeta, por ele depositada na Biblioteca Pública Municipal Pedro Fernandes Tomás, e hoje propriedade da família.
Durante o evento, foram disponibilizados ao público exemplares de várias “Cadernos Municipais” dedicados à divulgação dos trabalhos distinguidos no Prémio Literário Joaquim Namorado, instituído pela Câmara Municipal da Figueira da Foz em 1984 em tributo ao autor de “Aviso à Navegação”, que viria a manter-se ao longo de 14 anos consecutivos.
 
 

Sem comentários: