sábado, 17 de maio de 2014

Efemérides

Assaltado o Banco de Portugal,
na Figueira da Foz
Palma Inácio (falecido em 14 de julho de 2009), adversário do regime salazarista, protagonizou (foi o chefe da missão), em 1967, o maior assalto alguma vez praticado em Portugal.
Aconteceu na Figueira da Foz, a 17 de maio de 1967, na dependência do Banco de Portugal, situado na Praça General Freire de Andrade.
A Figueira andou pelas bocas do mundo. Os assaltantes cortaram "todas" as vias telefónicas, "esquecendo-se" das do caminho de ferro, por onde eu, na altura correspondente do Comércio do Porto, enviei pouco depois a notícia que... a censura cortou!!!
Palma Inácio viria, mais tarde, a dar uma conferência no pavilhão do Liceu Figueirense (atual Escola Joaquim de Carvalho), onde deu conta dos pormenores da façanha.
Foi, na ocasião, atribuída a Salazar, segundo o Diário de Notícia, esta frase relativa ao acontecimento:
"Ainda em 1967 bandidos comunistas assaltam a dependência do Banco de Portugal na Figueira da Foz e fogem com o dinheiro, que não é pouco. Mas o que é que andam a fazer a PIDE e a GNR e a PSP? Até essas forças já me falham?"
O revolucionário e militante de base do Partido Socialista Hermínio da Palma Inácio, que já se havia celebrizado pelo primeiro desvio político de um avião (1961) e pelo assalto ao Banco de Portugal, faleceu vítima de cancro.
 

Sem comentários: